🇺🇸 AmarSemfim sailboat / 🇧🇷 veleiro amarsemfim

🇺🇸 Jeremiah 31:3 / 🇧🇷 Jeremias 31:3

Trecho La Paloma (Uruguay) > Rio Grande (Brasil)

Deixe um comentário

As vezes acho nossas “zarpadas” no mínimo curiosas!!!

Outra vez, ao sair, tivemos “problemas” e fomos orientados a voltar e esperar!

Sempre que saímos de um porto, avisamos ao “controle” sobre horário de saída e dados da embarcação e tripulação, e também a hora estimada de chegada. Neste dia, depois do despacho na Prefectura, simplesmente desamarramos o veleiro, ligamos o motor e começamos a manobrar em direção a saída do porto passando pelos muelles. E como não poderia nem deveria ser diferente, o “controle” nos contatou via rádio, deu um leve e quase imperceptível puxão de orelha, e nos comunicou que, por haver um aviso de tormenta, o porto estava fechado e nossa saída teria de ser suspensa. Voltamos, manobramos e amarramos o barco outra vez. Meio a contra-gosto, mas aceitando (sempre) que Deus é quem está no controle.

Tomamos café, Ric deu uma volta e pouco depois fomos novamente chamados pelo “controle”, que convidou o Ricardo a comparecer à central. Lá ele encontrou um oficial da marinha que lhe comunicou o prognóstico meteorológico, a abertura do porto e lhe pediu que assinasse um documento dizendo estar ciente das condições que enfrentaríamos. Sabemos que grande parte deste “estresse” da nossa saída se deu por conta do acontecido com  veleiro argentino Tunante II. Mas confesso que me senti bem em estar debaixo do comando de uma autoridade e de ser liberado por ela também. Tudo certo e liberado, comunicamos o “controle” oficialmente, via rádio, desamarramos o barco e zarpamos rumo a Rio Grande, no Rio Grande do Sul (Brasil). Seriam aproximadamente 36 horas de viagem (1,5 dia) – mas fizemos o percurso em 30hs.

Quando eu verificava a meteorologia, me preocupava com a ondulação da região de La Aguada (praia por onde saímos depois dos muelles) que, por estar perto de nós, podíamos sempre ver que tinha ondas significativas. O porto estava um espelho, mas realmente a saída dos muelles e passagem pela La Aguada exigiu de nós certa dose extra de concentração e cuidado. Por ser uma região muito rasa e rochosa, há muitas ondas… e relativamente altas! Isso durou um certo tempo. Na verdade a ondulação significativa durou praticamente o 1º dia todo (dia 10/09), mas apesar disso, depois de passarmos o trecho mais complicado e agitado (La Aguada, La Pedrera e Cabo Polonio), erguemos vela e velejamos gostoso até o final do dia!!! E então o vento cessou!!! E acionamos o motor.

Ric e eu ficamos o dia todo no cockpit, procurei poupa-lo ao máximo, uma vez que ficaria a maior parte da noite controlando a viagem. Durante este dia, vimos um pouco de vida marinha e muitas, muitas aves. Eu havia pedido muito a Deus que nos presenteasse com muita “vida” durante a viagem, muita natureza… e foi o que ganhamos. Vimos um animal que nos pareceu ser um leão marinho, mas sem vida… triste. Mas em seguida, vimos uma foca pulando um pouco a nossa frente… mergulhando, se aproximando e se “banhando” ao nosso lado. Mas foi tão rápido que não conseguimos chamar as crianças… que estavam dentro, procurando se distrair.

O por do sol deste 1º dia foi lindo e a noite, inigualável! João, sob efeito do dramim, acabou dormindo cedo, mas a Maria ficou conosco no cockpit até a lua nascer; e, enquanto ela não aparecia, pudemos apreciar um céu estrelado impossível de se descrever ou botar em palavras. Mari se encantou pelas estrelas e se maravilhou ao ver estrelas cadentes (abundantes!). A lua (cheia) apareceu ofuscando com seu brilho as estrelas menos luminosas. Apareceu linda e majestosa, iluminando toda a noite e parecia um holofote… a noite estava super clara.

O nascer do sol foi outro momento lindo e em seguida, pudemos ver ao longe borrifos e splashes, e concluímos que eram baleias… Até que se aproximaram, e pudemos ver seu dorso, e ve-la erguer cada uma de suas nadadeiras batendo e fazendo splash na água. Não vimos seu jato, e nem um pulo, mas só os vários e intercalados splashes foram o suficiente para alegrar nossa manhã. Ainda mais a frente, vimos outro animal. Aí o Juca já estava conosco, mas ainda assim tivemos dificuldade (até agora) em decifrar o que era. Não era muito “curvado” para ser um golfinho, era muito pequeno para ser uma baleia, tinha uma barbatana dorsal… e era de cor escura… não pulava nem fazia splash, somente subia a superfície, mostrava sua barbatana e baixava. Decidimos que era um tubarão, mas não podemos estar seguros!

Já chegando em Rio Grande vimos mais focas e leões marinhos… além do lance das baleias presas no canal. Estas últimas, não vimos, mas tivemos que tomar cuidado para não cruzar o caminho delas… como nos informou o prático com quem falamos (que aliás, confuso, perguntou se éramos o veleiro Tunante II [???]). As baleias teriam se perdido na sua rota migratória e ido parar no meio do canal do porto de Rio Grande… o que impediu o trafego por um bom tempo. Passando já pelos muelles do porto, vimos vários… inúmeros leões marinhos e focas tomando sol nas pedras dos muelles.

Uma coisa é certa… muita natureza e muita vida foi do que pudemos desfrutar durante esta viagem, e por isso também somos muito gratos a Deus!

Mais um pouco e já estávamos na Lagoa dos Patos e chegando ao Yacht Club Rio Grande! Que alegria estar em águas territoriais brasileiras!!! Depois de um breve descanso e uma rápida ordem no barco (porque, acreditem, veio muita coisa abaixo com a ondulação da saída de La Paloma), decidimos comer uma pizza! Pizza com guaraná, com gelo e uma rodela de laranja!!! Confesso que ando triste com o Brasil pelo que tem passado e da forma como tem reagido, mas é bom estar em casa.

Agora, já começamos a programar nossa saída de Rio Grande. Talvez viajemos até Pelotas, para depois sairmos da Lagoa dos Patos e seguirmos a Floripa. Esta será a perna mais longa que enfrentaremos (3 dias mais ou menos. Quando fizemos a perna contrária Floripa > Rio Grande, levamos 67 horas), e pedimos que nos sustentem em oração também neste período. Esperamos um bom prognostico para que tenhamos uma bela e tranquila viagem!

Até lá, ficamos em Rio Grande e em breve teremos mais atualizações!

 

AmarSemFim |)|)

Sempre gratos!

Somente a Deus toda a glória!

 

Vídeo:

 

Fotos:

Autor: helenayoshima

Tripulante da embarcação "Veleiro Amar Sem Fim"

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s