🇺🇸 AmarSemfim sailboat / 🇧🇷 veleiro amarsemfim

🇺🇸 Jeremiah 31:3 / 🇧🇷 Jeremias 31:3


2 Comentários

🇺🇸 Newsletter – The Bahamas – 🇧🇷 Newsletter – As Bahamas

🇺🇸 Newsletter – The Bahamas (last part: Feb 16th – Mar 13th, 2018) – 🇧🇷 Newsletter – As Bahamas (última parte: 16 de fevereiro a 13 de março, 2018)

🇺🇸 English 🇧🇷 Português

🇺🇸 We’re back! And we want to start again by greeting the church of the Lord and our brothers and sisters with grace, mercy and peace from God the Father and Christ Jesus our Lord. (2nd Timothy 1:2)

When I started monthly writing the missional newsletters a couple of months back I did not know then all the benefits it would render me/us. The fact that we are allowed to go back and “revisit” those moments in time when this or that happened, or the privilege we are given to rethink, relive and meditate upon certain situations God’s put us through… all this is just so rich!!! So maybe this is why it sometimes takes me so long to actually go through that phase of rethinking and reliving etc to finally get where God wants us to be, and exactly what our LORD Jesus Christ wants us to share. So before I move on to the report itself I want to pause here and praise the name of the the God who called us into mission, the One who deserves all praise, the Name above all names: Our LORD and Savior, the pioneer and perfectioner of our faith: our LORD Jesus Christ! To Him alone be all Glory and honor and power! Also, I feel the need to apologize for the long pause. Even though I’ve explained how we feel about the pauses, I know some of you have been waiting and wondering about one of the most important periods of our missionary work – which is the time we spend in Cuba.

Before I proceed to tell you all about Cuba itself, though (which will be our next post, and is already being written), I want to go on and share (and this way, conclude that chapter) about one of the most beautiful countries we’ve visited so far: the Bahamas.

We had an extended stay in the Bahamas. Part of the time it was because we enjoyed the islands so much. But also, in some cases, we were led by the Spirit to stay a bit longer, or to leave faster… as you will see. This is not going to be, then, a post regarding missionary work itself, as it will mostly tell about the way God works in our lives – and eventually shapes us into the kind of people He wants to use for what He’s called us to do.

So after we left Nassau, we headed to and Island called Eleuthera. This is an Island we had not visited before during our last trip to the Bahamas, last year; so we were curious to see some of the things people say about this place, like the pink sand beaches. Also, we were told there is a ice place to do some maintenance on the boat in a place called Spanish Wells, and this is something we have been postponing for so long we thought that was the perfect opportunity to do it. So we headed to Eleuthera and had a wonderful trip. We left Nassau in the morning and got the an anchorage close to Spanish Wells by sunset. Rested. Lifted the anchor and headed to Spanish Wells per se on the next morning. Spanish Wells is a BEAUTIFUL place! But it is also very different than any other Bahamian Island we have visited so far. The city is small, the beaches are wonderful, the water is stunning… but you see no trash on the streets, you can find a pretty well supplied supermarket on the island, prices don’t seem to be as high, people use mainly golf carts as transportation (and that’s not for tourists – that’s for residents), and the place itself is very quiet and well preserved. The church we connected with is fantastic and the kids had a great time fellowshipping with them, as did we. In all: We loved it! And so we decided that it would be a nice place to stay longer, and get our boat into shape again. So we prayed about it, as we always do, and started making plans and arrangements for the stay.

Then, God said NO! As I wrote above, “WE” decided and “WE” made plans. Yes, we prayed… but as it happens ever so often, God replied (as He always does) not in accordance to our expectations. We found the boatyard place our boat friends often talk about, where we could have our boat taken care of. We met the owner on the street. Talked to him. Went to the office. Filled out the required forms. We explained all the details and waited for an email saying whether it was possible to have everything we needed done, when it could be done, and how long it would take. But… No emails. So one day, walking from the docks to the supermarket as we usually did, we decided to visit the office again and make sure we didn’t miss anything. Maybe we misprinted the email, maybe we missed something. But, no. We were asked to wait a bit longer and we were assured he’d get back to us soon. As we were leaving the office, there he was. The owner. And he simply confirmed what they had just told us in the office. I’ll write to you this week. So, not to make it too long, let me just say we are waiting for this email to arrive up to the present. Having understood that was a door God had closed, we started praising Him for we are sure, as it is in His Word, He had something better ahead for us – we just don’t know when, where or anything else so far… we just know, trust and wait, for He is always faithful.

So after about 10 days, during which we got to relax on the island, meet people, spread painted rocks, fellowship twice with the People’s Church, and even be blessed with a sweet ride around the island (which a brother from the church made possible by offering us his golf cart for the day), we took off. Some of you had the chance to see our very first live video on our way to the island of Exumas. The trips till we reached Georgetown in the Exumas were very nice and calm. We could sail a bit, which was great. We saw and shared (as we went live again) the “green flash” while the sun was setting during one of the trips… and eventually arrived in Georgetown about 2 days later.

The last time we were there we concluded it was not the place for us. So many boaters just LOVE Georgetown, but we, somehow, did not enjoy it the first time (2017). So we were planning on staying there for just a couple of days and then, simply leave and head south straight to Cuba. So after provisioning, early the next morning we left. Different from what we did the last time, we decided to try the Comer Channel on our way to Cuba. On our last trip, we had opted to go south sailing east of Long Island… sailing the ocean. This time, we decided to keep sheltered by the islands and cays, sail the Comer Channel and through the banks, stopping every some miles to sleep and keep heading south. The southern most Bahamian island is called Ragged Island and it is 60nm north of Vita (in Cuba) – about a 12 hour-trip. So there we were headed. Comer Channel is very tricky, though. Miles and miles of sandbanks all around – which makes it simply stunning, but very dangerous if you draft too much. We sailed through it without any issues, though, and, 30nm off of Georgetown, our engine broke. I heard a variation in the constant sound of the engine which called my attention, so I called Ric up and we noticed the engine soon started losing power, and losing power… till it went dead. And NOTHING would make it work again. We were just off the Comer channel. But still had about 30 other nautical miles to get to the next Cay. What we had to consider was where to go… with only the help of our sails… it would be 30nm back to Georgetown (a refuge for so many boaters with boatyards and mechanics all around), or 30nm south till Water Cay – which is, in one simple word: uninhabited – meaning we would have no means, whatsoever to fixing anything… To top it all, 3 days from then, the winds would pick up quite a bit and we should by then be in a sheltered spot. But before we could decide on that, we tried fixing the issue. So since we still had WiFi signal (praise the LORD!), we were able to contact BASRA (which is an agency with volunteers who can connect you to help while in the Bahamas) and a mechanic friend of Ric’s in Brazil. While I was on the phone, Ric jumped in the water to make sure we hadn’t lost the propeller – which was a possibility. No, it was there. So he kept trying other things. Nothing would make the engine work again. It was when we decided it was high time we stopped and prayed. We did, and Juca, at one point, simply but boldly and full of faith said: “just give it another try”. And it did work! So it was time then, to decided. Going back or keep heading south. We decided to go back. To make a very, very long trip (and story) short, we ended up going through the tricky Comer Channel a total of 5 times (which now makes us experts in sailing it). Heading back to Georgetown with a problem on the engine was really overwhelming. Sailing through the Comer Channel at its lowest tide, or through Elizabeth Harbour (not at all advisable without a local to guide you) as the sun was rising… and finally anchoring back in Georgetown, in Stocking Island, with our engine temporarily remediated but not at all fully fixed, proved to be adventures we do not want to undertake again. Well, while there, we could find the hose we needed, the oil we were looking for, and during the waiting (for the bad weather days that ended up catching up with us, while sheltered there) we could share the love of God with tourists who were visiting the cozy “Chat N Chill”.

The sharing of God’s love to those on the island could have been the only motive (and motive enough) to have us go back there for that while. But we know God had another reason. Without really getting into details, Ric and I know we displeased the LORD at one point before starting the trip from Georgetown to Cuba (as we did not trust in His sovereignty regarding the provisions for the trip and mission work down south). So He had us go back. His Spirit bugged me for days. I could barely speak as I was being corrected and led to see what we had so cowardly missed. Ric and I talked and prayed together. We confessed our lack of trust and faith at that specific point and, soon enough, were able to keep sailing south. About 3 days later, we were in Cuba.

We not always realize the things we do are sometimes rooted in our earthly needs, our corrupt nature. But I praise the God who provided us a way to be reconciled with Him through Jesus Christ, for loving us so much as to correct us in LOVE and shape us and polish us and makes us ready for His Ministry. He is an amazing, loving, just and graceful God. The one who deserves all praise and glory and majesty. To Him alone be all the glory… Soli Deo Gloria!

I want to thank you for reading it through, even though it was not a mission report. But part of our missionary work is being prepared for it, so I thought it had to be shared. I also apologize if the descriptive details are too long as to make the reading tiring… most of them couldn’t have been left out, tough. Thank you.

As always, let me finish by assuring you we always pray for you who send us. We pray for you who support us in prayer and who bless us with resources that we receive with so grateful hearts. We go on praising the Almighty God for your lives, brothers and sisters, and over you we pray God will go on manifesting His presence, that He will take care of you, guide you and bless you. May the grace of the Lord Jesus Christ, and the love of God, and the fellowship of the Holy Spirit be with you all. (2nd Corinthians 13:14)

Helena, with Ricardo, Juca and Mari

🇧🇷 Estamos de volta! E queremos começar cumprimentando novamente a igreja do Senhor e nossos irmãos e irmãs, com a graça, misericórdia e a paz de Deus Pai e Cristo Jesus nosso Senhor (2ª Timóteo 1:2).

Quando eu comecei a escrever mensalmente os relatos missionários há alguns meses, eu não sabia naquela época todos os benefícios que isso me/nos traria. O fato de que nós podemos voltar e reviver esses momentos de exatamente quando isso ou aquilo aconteceu, o privilégio que nós temos de repensar, e reviver, e meditar sobre certas situações pelas quais Deus nos faz passar… Tudo isso é de muito valor! Talvez este seja o motivo pelo qual algumas vezes eu demore tanto para realmente passar por essa fase de repensar e reviver, e finalmente consiga chegar aonde Deus quer que estejamos e saber exatamente o que Jesus Cristo nosso Senhor quer que nós compartilhemos. Antes de começar o relato em si, eu quero parar aqui e louvar o nome do Deus que nos chamou para missão, aquEle que merece todo louvor, o Nome acima de todos os nomes: nosso Senhor e Salvador, o autor e confirmador da nossa fé: nosso Senhor Jesus Cristo. A Ele somente seja toda glória, e honra e poder! Eu também sinto a necessidade de me desculpar pela longa pausa. Apesar de ter explicado como nós nos sentimos com relação a elas, eu sei que alguns de vocês estão ansiosos, esperando e imaginando como foi o mais importante período da nossa missão: que é o tempo passado em Cuba.

Antes de eu seguir contando sobre Cuba, em si (o que vai ser a nossa próxima postagem, que já está sendo escrita), quero seguir compartilhando (e dessa maneira concluir o capítulo) sobre um dos países mais bonitos que nós já visitamos: as Bahamas.

Tivemos uma estada prolongada nas Bahamas. Parte do tempo foi porque nós gostamos muito das ilhas. Mas também, em alguns casos, nós fomos levados pelo Espírito a ficar um pouco mais ou a sair com mais pressa de lugar x ou y, como você vai ver. Desta maneira, esta postagem não vai ser de conteúdo missionário por assim dizer, uma vez que vou contar sobre a forma como Deus trabalha em nossas vidas e por fim, nos molda nos tornando o tipo de pessoa que ele quer usar para cumprir o Seu chamado.

Então, logo que saímos de Nassau, nós nos dirigimos a uma ilha chamada Eleuthera. Essa é uma ilha que nós não visitamos antes, durante a nossa última viagem pelas Bahamas, no ano passado. Por isso, nós estávamos curiosos para ver algumas das paisagens que as pessoas nos contam sobre este lugar, como a areia cor-de-rosa nas praias. Também nos disseram que lá se pode fazer manutenção no barco, em uma cidade chamada Spanish Wells. E essa manutenção é algo que nós temos procrastinado já por um bom tempo. Por isso, pensamos que naquele momento então, seria a oportunidade perfeita para se fazer isso. Seguimos para Eleuthera e a viagem foi uma delicia. Saímos de Nassau de manhã e chegamos a ancoragem perto do pôr do sol. Descansados, levantamos âncora e seguimos para Spanish Wells de fato, no dia seguinte. Spanish Wells é um lugar lindo! Mas é uma cidade muito diferente de qualquer outra que nós já tenhamos visitado nas Bahamas. Ela é pequena, as praias são lindas, a água é estonteante… Mas você não vê lixo nas ruas, você encontra um mercado muito bem abastecido na ilha, os preços não parecem ser tão abusivos, as pessoas usam carrinhos de golfe como transporte (e isso não é para turistas, é para residentes), e o lugar em si é bem tranquilo e muito bem preservado. A igreja com a qual nós nos conectamos é fantástica, e as crianças aproveitaram muito bem o tempo de comunhão com eles, assim como nós também o fizemos. Resumindo: nós amamos Spanish Wells! Sendo assim, nós decidimos que seria um ótimo lugar para ficar mais tempo, e arrumar o nosso barco colocando-o em forma outra vez. Oramos a respeito disso, como sempre fazemos, e começamos a fazer os planos e programar os detalhes para a estada.

Foi então que Deus nos disse NÃO! Como eu escrevi acima, “NÓS” decidimos, e “NÓS” fizemos planos. Sim, nós oramos… Mas como acontece não poucas vezes, Deus respondeu (pois nunca nos deixa sem resposta), não de uma maneira que estivesse de acordo com as nossas expectativas. Explico: Nós encontramos a oficina de barcos sobre a qual nossos amigos falaram, onde poderíamos arrumar o barco. Conhecemos o dono e falamos com ele. Fomos ao seu escritório. Preenchemos os formulários exigidos. Explicamos todos os detalhes e esperamos por um e-mail dizendo se seria possível ou não fazer tudo que precisávamos, quando isso poderia ser feito, e quanto tempo levaria. Mas, nada de e-mail. Então um dia, andando pelas ruas, do píer em direção ao mercado como fazemos, nós decidimos visitar a oficina outra vez e nos certificar de que não tínhamos nos equivocado. Talvez tivéssemos anotado o e-mail errado, talvez simplesmente não tivéssemos prestado atenção em algum detalhe. Mas, não. Nos pediram para esperar um pouco mais e nos asseguraram de que o dono entraria em contato conosco em breve. Conforme saímos do escritório, lá estava dono. Ele apenas confirmou o que o escritório nos disse: “Eu escrevo ainda esta semana.” Então, para encurtar a história, deixe-me apenas dizer que este e-mail até o dia de hoje, não chegou até nós. Tendo entendido que essa era uma porta que Deus fechava, começamos a louvar a Deus porque sempre temos a certeza, como diz em Sua Palavra, que Ele tem algo melhor para nós… nós apenas não sabemos ainda o quando, onde ou nenhum outro detalhe… Nós apenas sabemos, confiamos e esperamos, por que Ele é sempre fiel.

Depois de uns 10 dias, durante os quais relaxamos na ilha, conhecemos pessoas, espalhamos as pedras que tínhamos pintado, congregamos na igreja People’s Church algumas vezes, e até mesmo fomos abençoados com um passeio gostoso pela ilha (que um irmão da igreja tornou possível ao nos oferecer o seu carrinho de golfe durante o dia), nós partimos. Alguns de vocês tiveram a chance de ver nosso primeiro vídeo live enquanto íamos para a ilha das Exumas. As viagens até lá foram agradáveis e tranquilas. Pudemos velejar um pouco, o que foi ótimo. Nós vimos e compartilhamos (indo live outra vez) o “flash verde” enquanto o sol estava se pondo durante uma das viagens… E finalmente chegamos a GeorgeTown por volta de dois dias depois.

A última vez que nós estivemos lá nós concluímos que não era o lugar para nós. Muitos velejadores amam Georgetown, mas nós, de alguma maneira, não curtimos da primeira vez que estivemos lá em 2017. Então, estávamos planejando ficar lá por apenas dois dias, e simplesmente sair e navegar para o sul direto para Cuba. Depois de provisionar o barco, cedo na manhã seguinte, nós partimos. Diferentemente da última vez, nós decidimos tentar o Comer Channel ao viajar para Cuba. Em nossa última viagem, nós optamos por ir ao sul velejando ao leste de Long Island ou seja, navegando o oceano. Esta vez, decidimos nos manter abrigados pelas ilhas, navegando o Comer Channel e os bancos, parando apenas a cada tantas milhas para dormir, e então seguir para o sul. A ilha mais ao sul nas Bahamas se chama Ragged Island, e fica a 60 milhas náuticas de Vita (Cuba) ou seja, aproximadamente 12h de viagem. Então, para lá seguimos. Comer Channel é muito traiçoeiro, no entanto. Milhas e milhas de bancos de areia por todos os lados, o que o torna exuberantemente lindo, mas muito perigoso se você tiver muito calado (profundidade de quilha). Mesmo assim, Navegamos pelo canal sem problemas. Mas, 30 milhas depois de sair de GeorgeTown, nossa transmissão quebrou. Eu ouvi uma variação no som constante do motor que chamou a minha atenção. Chamei o Ric e notamos que o motor começou a perder potência… e perder potência… Até que o barco parou. Nada o fazia voltar a navegar. Nós tínhamos acabado de passar pelo canal. Mas ainda tínhamos 30 milhas náuticas para chegar até a próxima ilha. O que tínhamos que decidir então, era para onde ir… Apenas com ajuda das velas: Seriam 30mn de volta para Georgetown (um refúgio para tantos barqueiros com oficinas e mecânicos por todos os lados) ou 30mn para o sul até Water Cay, que é, em uma simples palavra: desabitada – isso significava que nós não teríamos recurso algum para consertar nada, se fôssemos para lá. Além disso, em três dias, os ventos começariam a piorar e nos alcançariam. Até lá, nós já deveríamos estar em um lugar abrigado. Mas antes de podermos decidir isso, tentamos resolver o problema. Como nós ainda tínhamos Wi-Fi (louvado seja o Senhor!), nós pudemos contatar a BASRA (que é uma agência com voluntários que te conectam com “socorro” enquanto nas Bahamas), e um mecânico amigo do Ricardo, no Brasil. Enquanto eu estava no telefone, Ric pulou na água para se certificar de que nós não tínhamos perdido o hélice. Isso era uma possibilidade. Mas, não. O helice estava lá. Então ele continuou fazendo outras tentativas. Nada parecia fazer a transmissão funcionar novamente. Foi então que percebemos que já tinha passado da hora de parar e orar. Oramos! E Juca, em um dado momento, simples mas corajosamente e cheio de fé, disse: “tente de novo” (tão simples assim). E a transmissão funcionou! Agora já era hora de decidir. Voltar ou continuar para o sul. Decidimos voltar. Para encurtar a história de uma viagem muito, muito longa, nós acabamos tendo que passar pelo traiçoeiro Comer Channel um total de cinco vezes (o que hoje nos faz experts ao navegar por ele). Viajar de volta para Georgetown com problema no barco foi realmente exaustivo. Velejar novamente o Comer Channel, a noite e com a maré mais baixa, ou passar pelo Elizabeth Harbour (o que é realmente não aconselhável sem que se tenha um guia local ou um prático a bordo), enquanto o sol estava nascendo… E finalmente, ancorar de volta em Georgetown, em Stocking Island, com nosso problema temporariamente remediado mas não completamente corrigido, acabaram sendo aventuras pelas quais nós não queremos passar novamente. Uma vez lá, pudemos encontrar a mangueira que precisávamos, o óleo que procurávamos, e durante a estada (porque o mau tempo nos alcançou enquanto estávamos abrigados lá), pudemos compartilhar o amor de Deus com alguns turistas que conhecemos no gostoso “Chat N Chill”.

O compartilhar do amor de Deus com as pessoas na ilha poderia ter sido o único motivo (e motivo suficiente!) para fazer com que nós voltássemos para lá por aqueles dias. Mas nós sabemos que Deus tinha outra razão. Sem realmente entrar em detalhes, Ric e eu sabemos que desagradamos ao Senhor em um dado momento, antes de começar a viagem de Georgetown para Cuba (uma vez que naquela hora, não confiamos na soberania do Senhor com relação aos recursos para a viagem e o trabalho missionário que desenvolveríamos lá). Então, Ele nos fez voltar. Seu Espírito me incomodou por dias; eu mal conseguia conversar, enquanto estava sendo corrigida e levada a enxergar onde nós tínhamos tão covardemente errado. Ricardo e eu conversamos e oramos juntos. Confessamos a nossa falta de confiança e fé naquele momento, e muito em breve fomos capazes de continuar com a viagem ao sul, chegando em Cuba num intervalo de aproximadamente três dias.

Nem sempre nós percebemos que as coisas que fazemos têm raízes muitas vezes em necessidades carnais ou mundanas, ou na nossa natureza corrupta. Mas exalto o Deus que providenciou para nós uma maneira de nos reconciliarmos com Ele através de Jesus Cristo, por nos amar de tal maneira a nos corrigir em amor, e nos moldar, nos polir, ao nos preparar para o Seu ministério. Ele é um Deus incrível, amoroso, justo e gracioso. AquEle que merece todo louvor, glória e majestade. A Ele somente seja toda a glória… Soli Deo Gloria!

Eu quero agradecer a você por ler até o fim, apesar desse não ser um relato missionário. Mas entendo que parte do nosso trabalho missionário é sermos preparados para tal, então entendi que isso tinha que ser compartilhado. Eu me desculpo também pelos detalhes descritivos que podem ter tornado a leitura cansativa… Mas a maioria deles não poderia ter sido omitida. Muito obrigada.

Como sempre deixe-me terminar assegurando-os de que sempre oramos por vocês que nos enviam. Oramos por vocês que nos apoiam em oração e que nos abençoam com recursos que nós recebemos sempre de coração grato. Nós continuamos louvando ao Deus todo-poderoso por suas vidas, irmãos e irmãs, e sobre vocês pedimos que Deus continue manifestando a Sua presença, que Ele cuide de vocês, guie vocês e os abençoe. Que a graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo esteja com vocês todos (2ª Coríntios 13: 14)

Helena, junto com Ricardo, Juca e Mari.