🇺🇸 AmarSemfim sailboat / 🇧🇷 veleiro amarsemfim

🇺🇸 Jeremiah 31:3 / 🇧🇷 Jeremias 31:3


8 Comentários

🇺🇸 Newsletter Jan/2018 – 🇧🇷 Newsletter Jan/2018

🇺🇸 English 🇧🇷 Português

🇺🇸 Once again we are posting on the blog, and we want to start the new update the same way we did last time… So we are now greeting the church of the LORD and our brothers and sisters with grace, mercy and peace from God the Father and Christ Jesus our Lord (2nd Timothy 1:2).

I apologize for the delay in publishing it.

This is going to be a quick update on how things are… and quite personal since it contains a confession. I look back to the end of 2017 and recall a prayer I said to God…

During our almost 5 years of doing missions, we have come across some pretty hardened hearts, sadly. Many people who would reject the Gospel, choose not to listen, decline an offer to freely be given a Bible, a devotional, a CD or a DVD; or they would turn their backs, change the subject, or even openly call us crazy, delusional etc. The curious thing is how it affects differently both Ric and I. Ric feels challenged by situations like this, and it sort of powers him into keeping on doing missions. I, on the other hand, sulk up. And the circumstances mentioned above, they sort of pile up and eventually I become discouraged. And here is my confession!

So, by the end of 2017, after encountering quite a few travelers and sailors from areas traditionally known as to having no regard for God nor His Gospel, I prayed to God one night and asked Him to please not let me feel discouraged. I know everyone who comes to us does so because He has led them to us. But I was “tired” of always approaching people who would eventually have what seemed to me hardened hearts. I asked Him to please send us people who would be legitimately thirsty for knowing more about Him and who He is, who would be open to understand and accept to listen to what God has to say to them through us, listen to our life testimony… and who wouldn’t shut Him out by avoiding us or labeling us, the Christians.

And how beautiful it is to be able to actually experience such a personal response to prayer, as we look back and see D., G.. and J., so open to hear about Jesus. D. is originally Jew. G. is Canadian and speakes mostly French. J. is also Canadian. Three very different people whom we met in very different occasions, but who brought me such a feeling towards God and His concern with our “needs” that I felt overwhelmed when I realized what He was doing.

D., countless times asked us about Jesus and our ministry, was very interested, intrigued and curious in knowing more and more. G., during a storm that hit us in the anchorage in Bimini, was literally saved by Ric from hitting the rocks and other boats in the anchorage (and causing himself, others and the boats some damage), repeatedly acknowledged being sure it was God who had sent Ric over to save him and his boat; showing, this way, such regard for the Lord we were not really expecting to see or hear, but which allowed us to freely share more about Jesus and our ministry. J., a very sweet and friendly lady sailor with her husband, approached us one morning, introduced themselves and as simple and easy as that became friends! We’ve exchanged cakes and sweets, went fishing for lobsters together, and had the opportunity to chat a couple of times about God and how He is in control etc…

God listens to our prayers and takes pleasure in answering them. Not always the way we want or expect… but more to the truth expressed in John 15 when Jesus is saying: “If you remain in me and my words remain in you, ask whatever you wish, and it will be done for you. This is to my Father’s glory, that you bear much fruit, showing yourselves to be my disciples.” (John‬ ‭15:7-8‬). It brings much peace and joy to my heart to be able to experience God in action in such way!

So, eventually, we left Bimini and headed to Nassau. That was an important trip because we needed to do some things which required a place with more resources than the one we had been in. So we needed to have our passports renewed, and we needed a Brazilian consulate in order to do so. We needed to fix our satellite phone which broke as soon as we arrived in the Bahamas – we could either send it to Miami, or find a place here in Nassau that could fix it. I needed to see a doctor for an exam I had been delaying and needed a nice hospital to have it done. We also needed to at least try to fix our wind generator – so useful specially here in the Bahamas where wind is so constant… And so many other small things. Nassau, we already knew, had all these!!!

The trip to Nassau was interesting. The first day allowing us to have a beautiful trip. The color of the see in the banks is something indescribable. What was most interesting is that it is not advisable to sail at night through the banks exactly because of the existance of the banks – obviously. So as odd as it may sound, we had to anchor (together with 4 other sailboats or so) away from the channel, but sort of in an open area. We had to pick a night that wouldn’t be windy because we wouldn’t be sheltered at all. The night ended up being ok. It rolled a bit, but we could rest well. The next day we had to finish sailing the banks and enter the sounds, then cross Andros on our right and Chub Cay on our left, then head other 30 miles till Nassau. While in the banks everything was easy, but it turned a bit rough (and a lot rougher later on) when we entered the sounds. It wasn’t a dangerous trip, the sounds, it was just very, very unconfortable. What made it more so was that we were sailing upwind in such way we could not even hoist the sails… the only way east was with the engine. So winds were coming one direction, waves another and we were trying to move ahead while we waited for them (wind and waves) to come to an agreement… which didn’t seem to be happening any time soon. On we headed and then… silence!!! Our engine simply stopped. Truth be said we had already prayed for better weather so many times that day, that I wasn’t expecting a surprise like this. Only 18 miles more and we would be in Nassau… only about 3,5 hours. And the engine stops? Really!?! But God… Oh God is so good and gracious! God’s gifted Ric with this incredible ability in mechanics and it seemed to me that God was whispering in Ric’s ear: “Do this… Check that… Go see that other thing…” And in no more than 20 minutes we were good to go. Just in case you are wondering what happened, something got caught in the hose that sends fuel from the tank to the engine and it got clogged. So, after such an adventure, we were finally able to arrive in Nassau by night, that very same day, praying to the LORD and singing Him praises for His goodness, His control, His presence all the while, for His beautiful creation, His love and grace.

So now (originally written on the 31 of January, 2018), we’ve already managed to have the satellite phone fixed, the wind generator looked into (not repaired though), the passports emitted and I had the exams done and found out everything is fine! So many motives of praise.

Because we connected so beautifully with St Andrews Presbyterian Kirk here in Nassau the last time we were here (March 2017) and this time over again, we’re staying here for about 2 other weeks (current date of publishing). They have amazing children, youth and women groups (the latter being called Proximity242 – with a hashtag of #NODLA – meaning No One Does Life Alone), and I ask you to have them in your prayers as they serve the Lord here in this island. The Lord has blessed us immeasurably while fellowshipping with them and this connection will certainly be missed when we sail off to Cuba.

We are now almost ready to move on! From Nassau, hopefully we’ll be going to Spanish Wells (where we will – God willing – fix an issue at the bottom of the boat), and sail south to Eleuthera and the Exumas. We still have some time in the Bahamas and we’ll gladly be taking one step at a time to go wherever and everywhere God is telling us to go.

Again, we keep praying for you who have sent us. We pray for you who support us in prayer and who bless us with resources that we receive with so grateful hearts. We go on praising the Almighty God for your lives, brothers and sisters, and over you we pray God will manifest His presence, that He will take care of you, guide you and bless you. May the grace of the Lord Jesus Christ, and the love of God, and the fellowship of the Holy Spirit be with you all (2nd Corinthians 13:14).

Helena, with Ricardo, Juca and Mari
(OBS.: Below, after the Portuguese version of the post, you will find pictures of us during the month of January, 2018. Please, click the pictures to access their captions.)

🇧🇷 Mais uma vez estamos postando no blog, e queremos começar a postagem da mesma maneira que fizemos anteriormente, saudando a igreja do Senhor e nossos irmãos com a graça, a misericórdia e a paz da parte de Deus e Jesus Cristo, nosso Senhor (2a Timóteo 1:2).

Lamento a demora da liberação da postagem.

Esta será uma postagem mais breve sobre como as coisas estão por aqui… e um tanto pessoal, uma vez que ela contem uma confissão agora, na primeira parte. Eu olho para trás, para o final de 2017 e relembro uma oração que fiz a Deus…

Durante nossos quase 5 anos fazendo missões, nós nos deparamos com vários corações endurecidos, infelizmente. Muitas pessoas que rejeitaram o evangelho, escolheram não escutar, recusaram uma oferta de receber de graça uma Bíblia, um devocional, um CD ou um DVD, ou que viravam a costas, mudavam de assunto, ou mesmo nos chamavam de loucos, iludidos etc. O curioso disso é a forma como isso nos afeta, ao Ric e a mim, diferentemente. Ric se sente desafiado por situações assim, e isso meio que lhe dá mais energia para seguir evangelizando. Eu, por outro lado, me calo. E as circunstancias mencionadas acima, vão como que se acumulando e eu acabo ficando desanimada. Aqui está a confissão!

Então, no fim de 2017, depois de ter encontrado um razoável número de viajantes e velejadores de regiões tradicionalmente conhecidas por não terem nenhuma consideração para com Deus ou o evangelho, eu orei ao Senhor e Lhe pedi por favor para não me deixar desanimar. Eu sei que cada pessoa que vem até nós o faz porque foi dirigida pelo Senhor. Mas eu estava ficando “cansada” de sempre abordar alguém que tivesse um coração “aparentemente” endurecido. Eu Lhe pedi para que por favor nos enviasse pessoas que tivessem legitimamente grande sede por conhecer mais dEle e quem Ele é, que estivessem abertas a entender e aceitar o que o Senhor tem para dizer para elas através de nós, a ouvir nosso testemunho de vida… e que não O repudiassem ao nos evitar ou nos rotular, nós, os Cristãos.

E que lindo é poder experimentar uma resposta tão pessoal, ao olharmos para traz e vermos D., G. e J. tão abertos para ouvir sobre Jesus. D. é judeu, originalmente. G. é canadense e fala francês (quase nada de inglês). J. é canadense. Três pessoas bem diferentes, que encontramos em ocasiões variadas, mas que me revelaram um sentimento especial para com o Senhor e Sua preocupação com as nossas “necessidades”, que me senti transbordar quando percebi a forma como Ele estava agindo. D., inúmeras vezes nos perguntou sobre Jesus e nosso ministério, estava muito interessado, intrigado e curioso em saber mais e mais. G., durante uma tempestade que nos atingiu em uma ancoragem em Bimini, foi literalmente salvo pelo Ric de bater nas pedras e em outros barcos na ancoragem (e assim causar a si mesmo, a outros e aos barcos um pouco de estrago), repetidamente reconheceu estar certo de que fora Deus quem enviou Ric para salvar sua vida e seu barco. Mostrando assim um respeito pelo Senhor que não esperávamos ver ou ouvir, mas que nos permitiu compartilhar livremente mais sobre Jesus e nosso ministério. J., uma senhora muito simpática e querida junto com seu marido se aproximou de nós uma manhã, se apresentou e assim, tão simples e facilmente nos tornamos todos amigos. Trocamos bolos, doces, e pescamos lagostas juntos. Tivemos a oportunidade de convesar algumas vezes sobre Deus e como Ele está no controle.

Deus ouve nossas orações e tem prazer em respondê-las. Nem sempre do jeito que a gente quer ou espera… e sim tendo mais a ver com a verdade expressa em João 15 quando Jesus está dizendo: “Se permanecerdes em mim, e minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.” (João 15:7-8). Isso traz muita paz e alegria ao meu coração… poder experimentar Deus agindo desta maneira!

Então, finalmente, partimos de Bimini e nos dirigimos a Nassau. Esta era uma viagem importante porque precisávamos fazer algumas coisas que exigiam um pouco mais de recursos do que os que tinhamos em Bimini. Nós precisávamos renovar nossos passaportes; e para isso, uma embaixada do Brasil era necessária. Precisávamos consertar nosso telefone satelital que tinha parado de funcionar bem quando chegamos nas Bahamas. Eu precisava ir a um médico e fazer alguns exames de rotina. Nós também tinhamos que ao menos tentar consertar nosso eólico – tão útil em especial se estamos nesta região onde o vento sopra constantemente…. Isso tudo entre outras coisas. E Nassau, nós já sabíamos, tem tudo isso.

A viagem até Nassau foi bem interessante. Tivemos um primeiro dia de viagem muito bonito. A cor do mar na região dos bancos de areia de Bimini é simplesmente indescritível. O que foi mais interessante foi que não é recomendável velejar pelo canal dos bancos à noite, por causa dos próprios bancos de areia – obviamente. Então, por mais estranho que pareca, nós tivemos que ancorar fora do canal (junto com mais outros 4 veleiros), meio que em uma área aberta e sem proteção. Tivemos que escolher um período em que não houvesse muitos ventos pois não teríamos abrigo algum. A noite acabou indo muito bem. O barco balançou um pouco, mas conseguimos descansar. No dia seguinte, tivemos que terminar de velejar pelos bancos e entrar no que eles chamam de “sounds”, que é uma região com bem mais profundidade. Em seguida, navegar por entre Andros e Chub Cay e seguir as demais 30 milhas restantes até Nassau. Enquanto estávamos nos bancos, tudo foi muito agradável e tranquilo. Mas a coisa complicou (e complicou ainda mais, logo depois) quando entramos nos sounds. A viagem pelos sounds não foi em si uma viagem perigosa, mas foi muito, muito desagradável. O que a fez mais desagradável foi velejar contra o vento de forma que nem ao menos podiamos levantar velas… o único jeito de ir para o leste era usando o motor. Então, tínhamos ventos vindo de uma direção, ondas de outra, e nós tentando seguir adiante enquanto esperávamos que eles (ventos e ondas) entrassem em acordo… o que nao aconteceu muito em breve. Fomos seguindo adiante e, então… silencio!!! Nosso motor simplesmente parou! Confesso que já tínhamos pedido a Deus em oração por condições melhores de viagem algumas vezes naquela situação… entao, acho que dá para imaginar o tamanho da surpresa quando o motor parou. Faltava apenas 18 milhas e já estaríamos em Nassau… só mais 3,5 horas. E então, o motor pára? Sério, mesmo?!? Ahhh, mas Deus… Deus e tã bom e graciosos! Deus dotou o Ric com esta incrível habilidade em mecânica, e me parecia que Deus ia sussurrando ao seu ouvido: “Faz isso… Verifique aquilo… Vá ver aquele outra coisinha logo ali…”. E em não mais do que 20 minuntos, tudo se resolveu e estávamos prontos para seguir viagem. Caso estejam curiosos, o problema foi que a mangueria que liga o tanque de diesel ao motor, entupiu com um pedacinho de silicone que caiu dentro do tanque. Então, depois de tanta aventura, nós conseguimos chegar a Nassau já de noite, naquele mesmo dia; e oramos ao Senhor e cantamos louvores a Ele por Sua bondade, Seu controle, Sua presença durante tudo aquilo, por Sua criação, Seu amor e Sua graça.

Até agora (data original do texto: 28 de janeiro/2018), nós já conseguimos consertar o telefone satelital, trabalhar no eólico (infelizmente, sem sucesso), renovar nossos passaportes e fazer as consultas e exames necessários… Tantos motivos para louvar ao Senhor!!! Estamos então, agora, prontos para zarpar.

Por termos nos conectado tão bem com a igreja Presbiteriana de St Andrews aqui em Nassau (St. Andrews Presbyterian Kirk), acabamos decidindo ficar aqui por mais duas semanas (data em que publico a postagem). Eles têm um grupo incrível de crianças, jovens e mulheres (este último chamado Proximity 242 – que leva o hashyag #NODLA – significando No One Does Life Alone, ou “ninguem leva a vida sozinho”), e peço a vocês que orem por eles e por este ministério, enquanto eles servem ao Senhor e ministram na vida dos habitantes daqui da ilha. O Senhor nos abençoou imensuravelmente enquanto congregávamos lá, e essa conexão certamente nos fará falta quando partirmos daqui para Cuba.

Daqui de Nassau, com fé, vamos para Spanish Wells (ainda nas Bahamas). Lá, se Deus quiser, vamos resolver um detalhe de manutenção no barco e o tiraremos da água por um tempinho. Depois disso, começamos a viajar para o sul, passando por Eleuthera e pelas Exumas (ambas nas Bahamas). Nós ainda temos um tempinho aqui nas Bahamas e seguiremos dando um passo de cada vez em direção a onde quer que o Senhor deseje nos enviar.

Continuamos orando sempre por vocês que nos enviam. Que nos sustentam em oração e nos abençoam, dirigidos pelo Senhor, com recursos que recebemos com muita gratidão. Seguimos louvando o nome do Altíssimo pela vida de vocês, irmãos, e sobre vocês pedimos que o Senhor derrame mais de Si, cuide de vocês, lhes dirija e Se faça presente mais e mais. Que a graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês,

Helena, junto com Ricardo, Juca e Mari.
(OBS.: Abaixo, voce encontrara nossas fotos durante o mes de janeiro, 2018. Por favor, clique na foto para entender sua legenda)

Anúncios


Deixe um comentário

🇺🇸 2018 – Mission Focused Posts / 🇧🇷 2018 – Postagens com foco em missões.

🇺🇸 English / 🇧🇷 Portuguese

 

🇺🇸 As a new year begins, new proects and challenges begin as well.

We hope you can enjoy the updates we’re bringing to the blog, mostly regarding the mission trips.

Obs – New / Future posts will appear protected by a passcode, which will be shared only via email. Thank you for understanding.

 

🇧🇷 Um novo ano se inicia e com ele, novos projetos e desafios.

Esperamos que voces possam desfrutar das novidades que traremos ao blog, tratando em sua maioria sobre o tema das viagens missionárias.

OBS – As novas / futuras postagens aparecerão protegidas por senha, a qual será liberada apenas por emial. Obrigada por entender.


Deixe um comentário

Mas e o resto da Bahia?

Quanto ao restante da nossa estada na Bahia, não quero que nos julguem por termos passado rapidamente pelos locais quepassamos depois

que deixamos Porto Seguro, mas que entendam nossa agenda, por assim dizer.

Tínhamos uma regata (competição de barcos a vela) nos esperando em Aratu / Maragogipe… Na Bahia de Todos os Santos. 

E
isto fez com que vivêssemos e enfrentássemos a pior situação pela qual se pode passar: Datas (ou “prazos”). É aí, nesta situação, que está justamente o que nos põe em risco. Porque por conta de datas e prazos, pessoas deixam de ser prudentes e se arriscam… E já vimos issoacontecer de perto (e com um final nada feliz).

Para chegar a Bahia de Todos os Santos precisávamos passar rapidamente por Camamú e Morro de São Paulo… Além de parar em Salvador. Entendam que quando digo rapidamente, é exatamente isso que quero dizer. Sem exageros, nem floreios.

De pirajá em pirajá, fomos velejando e navegando e, assim, chegando a Salvador. Havia aviso de mar grosso e resta para toda a região, mas como as pernas eram curtas (a o tempo se acabava) decidimos encarar a situação.

Conforme postamos no facebook, a chegada a Salvador foi terrível e temível. Seguramente nossa pior situação no mar. Apesar de curta, a viagem de Morro de São Paulo a Salvador foi tensa e intensa, e foi isso que nos fez ficar e descansar em Salvador por alguns dias, ao invés de seguir viagem até Aratu, algumas horinhas à frente (dentro da bahia). Quando chegamos ao TENAB, vimos, amarrado bem ali, o veleiro Pangeia, do querido amigo Beto. Foi uma alegria imensa encontrá-lo ali; e pudemos ser vizinhos por alguns dias.

Em Aratú corremos nossa primeira regata até Maragogipe. Mas em uma manobra durante a competição, precisamos ligar os motores por questões de segurança, e isso desclassifica o competidor… Dessa forma, assim que cruzamos a linha de chegada (porque decidíramos que a terminaríamos mesmo assim), cientes do que isso acarretaria, comunicamos com respeito e conscientemente o fato a CR e fomos oficialmente desclassificados.

Em Camamú e Morro de São Paulo passamos apenas breves noites de descanso… E talvez um dia… E em Salvador, acho que devemos ter chegado a ficar um total de 1 semana… Ou algo assim.

Como disse foi breve e rápido. Salvador não nos encantou, infelizmente, e em seguida já partimos para Recife PE, juntamente com o veleiro do Beto, o Pangeia.

   
    
 


Deixe um comentário

Mais um pouquinho de Porto Seguro (o final da história)

Tanta coisa para publicar sobre os últimos meses que até sinto frio na barriga.
Primeiro porque relembrar os últimos meses significa revivê-los… e confesso que foi muito para digerir. Segundo porque realmente é muita coisa para pôr em dia… mas se consegui sentar para fazê-lo é realmente porque está na hora de atualizá-los. Então vamos lá:

Sobre nossa estada em Porto e o porquê da nossa”demora” por lá, você poderá voltar ao post anterior. Então, aqui, sigo contando o que nos aconteceu depois que decidimos ouvir a voz do nosso Guia (Jesus) e obedecê-lo, percebendo as portas que Ele nos abria e a forma como nos guiava (e ainda guia).

Como contei no post anterior, ficamos em Porto porque surgiu a oportunidade de servir a Deus, amando e servindo aos nossos vizinhos. Ao ficarmos, nos comprometemos com a Igreja Apostólica da Graça a servir com eles durante o mês de Junho – quando 3 igrejas americanas diferentes, porém ligadas com um mesmo propósito, viriam ao Brasil (especificamente Porto Seguro – BA) para ações de evangelismo e obras sociais.

Confesso que a princípio, quando fomos “convocados”, não tinha entendimento do que era que íamos fazer… Mas nosso coração desejava muito serví-LO – e tampouco queríamos perder a oportunidade de permitir que as crianças participassem de algo parecido (nem que fosse apenas como espectadores).

Aos poucos, conforme a data do “evento” ia se aproximando, fui entendendo que a necessidade a qual o projeto mais carecia era na área de línguas. Precisavam de interpretes. Eu nunca fui interprete. Tive receio, mas seguimos em frente.

Ricardo foi comigo, e João e Maria foram junto no primeiro dia apenas como companhia. Eu queria muito que eles começassem a viver missões de forma mais real e que a experiencia pudesse despertar o coração deles. Mas eu mal sabia o que Deus já tinha reservado a eles.

Conforme as pessoas da Englewood Baptist Church foram chegando e se instalando, eu fui me apresentando e tentando me fazer útil de alguma forma, perguntando onde precisavam de mim e como poderia serví-los. Fui direcionada a área onde se lavavam os pés. Isso mesmo, lavam os pés na área a qual fui designada. Apesar de ter a historia de Jesus (como Rei) amando e servindo seus amigos ao lavar seus pés como uma das histórias que mais amo na Bíblia, não conseguia visualizar como que aquela área poderia funcionar. Ao subir e me colocar a “postos” em um dos “boxes” onde receberíamos as crianças pude conhecer algumas das pessoas com as quais estaria servindo, me apresentar, falar um pouco de nós e entender melhor como era o serviço na área “Shoes”. “Shoes” era a área onde recebíamos as crianças (que já tinham sido previamente cadastradas pela equipe da igreja local que os recebia), lavávamos seus pés, lhes calçávamos meias limpas e novas e lhes dávamos um novo par de tênis (como um All Star), que tinha o nome JESUS escrito na parte de trás de cada pé. Enquanto fazíamos tudo isso, tínhamos a oportunidade de compartilhar nossa fé e o amor de Jesus não somente às crianças que ali estavam, mas também aos pais, avós ou responsáveis que as haviam trazido até nós. Enquanto tomava conhecimento de como tudo funcionava, ainda sem ter posto nada em prática e já me preparando para começar, pude perceber que a necessidade de interpretes era muito real… mas que havia sido suprida de alguma maneira em especial e curiosamente com a participação do Juca e da Mari. Sim, os dois, quando me dei conta, já tinham se apresentado, conversado com vários americanos e já tinham sido atribuídos a seus postos como parte da equipe que ali serviria. Então além de poderem ver o que aquela missão tinha como propósito, eles também puderam participar. Na verdade quem fazia tudo eram os americanos. Uma ou outra vez acabamos fazendo nós mesmo por conta do fluxo de crianças (em especial) que era intenso. Mas em geral, nosso papel era apenas o de interpretar… dizer para as crianças e acompanhantes tudo o que estava no coração dos membros da equipe.

Lembro-me com muito carinho de um momento em que o Juca simplesmente travou. Não se deu conta. Calou-se… e ficou a admirar o que Margareth dizia a uma criança. Ela então voltou-se a ele e lhe pediu que continuasse a tradução. Depois, ele me confidenciou que ficou tão apaixonado pela história que ela contava, e pela forma apaixonada como descrevia seu amor por Jesus, que prendeu sua atenção… e ele se esqueceu de continuar a tradução.

Lembro-me também de ter ouvido Juca, em outro momento, declarando “Cara, mãe, eu amo servir!”.

Para resumir um pouco esta história conto que fizemos as mesmas coisas com igerjas de Nashville, Goodletsville e Dyresburgh – TN (com os Pastores Phillip Jett e Boogie), bem como com a First Baptist Orlando (co os Pastores David Uth, Bill Mithcel, entre outros).

Com as igrejas do Tennessee tivemos ligações imediatas e elos que levaremos para a vida toda. Mas também com a igreja de Orlando pudemos experimentar o evangelismo em ruas… o que foi muito importante e significativo pra mim e pelo que sou muito agradecida a Deus por ter me presenteado com tal oportunidade. Além disso, pudemos participar desta última semana de serviço (com a igreja de Orlando) de outro ponto de vista. Desta vez, fazíamos parte da igreja de Orlando. Estávamos lá como equipe deles (pelo elo que já tínhamos com alguns membros de lá). E isso nos proporcionou vivenciar uma comunhão especial e diferente, por podermos fazer parte dos outros momentos em que envolvia a equipe.

Quando paro para lembrar de tudo isso, fico até sem palavras… e o medo de esquecer de mencionar nomes me faz não expôr o de ninguém além os dos Pastores.

Bom, quando a última igreja (a de Orlando) partiu, nosso planos eram de partir em seguida. Apesar do coração querer muito ficar (em especial por causa de uma outra semana de serviço e de um curso que Ric faria), Ric foi muito claro com relação a data de partida e não insistimos. Como disse, eu queria muito servir em mais um lugar. Desta vez era um projeto da Igreja Apostólica da Graça, mesmo, e não envolvia americanos. Desta vez era em uma aldeia. A aldeia Pataxó de Imbiriba. Mas Ric havia sido categórico: “Não dá. Não podemos!”. Como esposa, me coloquei debaixo de sua decisão, mas em amor, levei em oração o meu desejo ao Senhor. E lhe pedi que mudasse meu coração caso minha vontade fosse vaidade, ou que mudasse o do Ric. Não insisti com o Ric e confesso que não me lembro de ter insistido com Deus. O fato é que as portas se abriram de maneira sobrenatural, e Maria e eu fomos a Imbiriba. O que isso representou em nossas vidas, no entanto, foi algo  incrível. Com Maria e eu indo a Imbiriba, João ficaria com o pai e iria a Abrolhos (estávamos com amigos abordo). A época a qual me refiro não é muito tranquila para navegação na região pelo fato de ser época de baleias. Muita coisa pode acontecer… ou pode não acontecer nada (rsrs). Mas a ideia de uma possível colisão com uma baleia e o que isso significaria (avarias, etc) deixou Juca (e a mim também) apreensivo. Juca pediu, implorou para que não fossem a Abrolhos… se dizia inseguro e achava que não era para irem. Ouvimos, e Ric decidiu que iriam, de maneira mais segura, viajando apenas de dia, porque assim era mais fácil evitar uma possível colisão. Juca ainda não estava satisfeito e veio me pedir para intervir. Naquele momento o que pude fazer foi orar com ele. Deus institui o Ricardo como autoridade na vida do João. Não poderia deixar de apoiá-lo neste momento. Mas também não me sentia segura e entendia o receio do Juca. Com muito amor, orei com ele e lhe disse que orasse também. Expliquei o que disse sobre autoridade, mas reforcei que nada o impedia de levar o assunto diante de Deus e pedir (mais uma vez) que Deus mudasse o coração do Ric, ou dele mesmo.

Bom, saímos em direção a Imbiriba, Maria e eu… com o coração apreensivo porque no mesmo dia, mais a tarde, eles também sairiam em direção a Abrolhos. Chegamos cedo a aldeia, ajeitamos nossas coisas na casa do Luiz e da Tina e fomos nos reunir para começar o evangelismo na região. Neste momento de reunião, a primeira coisa que apresentamos diante de Deus foi a família de cada pessoa que estava ali servindo ao Pai. Lembro-me de como senti-me aliviada em saber que não era uma preocupação só minha, mas de todo o grupo… Seguimos com as atribuições do dia!

Não há sinal de telefone ou wifi na aldeia. Na verdade até se pode conseguir sinal, mas é bem difícil. Não dava para me comunicar com o Ric e saber como tinha sido a saída de Porto e onde estavam.

No fim do dia, depois do banho, já deitada, ouvi meu celular apitar. Levantei para ver se havia entrado algum sinal e vi que tinha uma mensagem. Do Ric. Que dizia assim: “Mission aborted”. Sem ter certeza do que aquilo significava, tentei várias vezes lhe escrever, sem sucesso. O sinal que entrou já não estava mais lá. Deitei-me novamente. Outro bip. Desta vez: “Você andou ensinando o Juca a orar? rsrs”. Entendi, então, que eles não tinham saído, mas ainda desconhecia os porquês. Depois fui saber que as ondas não proporcionariam uma viagem que pudessem desfrutar e acabaria sendo desagradável (para dizer o mínimo).

Estas histórias são histórias que não poderia deixar jamais de compartilhar. São histórias em que reconhecemos o Senhor Jesus como Senhor de nossas vidas e nas quais ele se faz tão participante, que honra o coração do servo justo e fiel. Tive uma oportunidade incrível de viver isso, e ver o Juca viver isso, e ver o Ric viver isso, e ver a Mari ver tudo isso. Não há nada que pudesse, naquele momento, ter desenvolvido ainda mais a fé de todos nós senão exatamente o que vivemos ali, naqueles momentos.

Deus cuida, se preocupa com os detalhes de nossas vidas, Ele honra. Ele supre, dirige, e orienta nossas vidas com amor indescritível… Mal posso esperar para experimentar mais.

AmarSemFim – Somente a Deus seja toda a glória!

 


1 comentário

Porto Seguro – Nada é por acaso!

Já faz tempo que eu queria compartilhar com todos o porquê da nossa estada prolongada em Porto Seguro, Bahia.

Infelizmente, algumas coisas acabaram impedindo o post de sair mais cedo. A internet, apesar de ter melhorado muito, ainda é um problema para nós. De qualquer modo, o post está aqui! Saiu! E espero que vocês que nos acompanham, desfrutem da leitura!

Chegamos em Porto Seguro no dia 02 de maio (2015), e nossa previsão inicial era de abastecer, e seguir viagem. Depois de descansarmos um pouco, saímos para conhecer a cidade um dia… ver o centro-histórico no outro… encontrar amigos da vela em um outro dia ainda… e assim, a coisa foi se prolongando um pouquinho. Mas em um dos bate-papos (e em algumas trocas de mensagens no fb), acabamos sendo convencidos (e percebemos que era o mais sensato a se fazer, de qualquer maneira) de que correr para chegar em Fortaleza e fazer a travessia ainda antes de junho seria loucura. Além da correria, seria perigoso. Apesar da temporada de furacões estar ainda começando, o risco está lá! Esta não é a melhor época pra se fazer a travessia… Não é necessário correr este risco. Mas isso queria dizer que nossa saída do Brasil demoraria ainda outros 6 meses mais. Nós não reclamamos, exatamente… mas não estávamos de todo contentes. Vínhamos ansiosos e empolgados com a saída “logo aí na frente” e a decisão, embora sendo a mais sensata, frustrou um pouco nossos planos.

MAS… sabemos que diferente dos nossos planos, os de Deus jamais podem ser frustrados… são infinitamente mais do que pedimos ou pensamos… sempre contribuem para o bem dos que O amam… e são para nos dar um futuro e esperança (Jó 42:2, Efésios 3:20, Romanos 8:28, Jeremias 29:11).

Agora, então, conto o verdadeiro motivo da nossa estada prolongada… que naqueles dias, ainda não conhecíamos.

Quando chegamos aqui em Porto Seguro, naquele dia 02 de maio, uma das primeiras coisas que fiz foi procurar uma igreja para congregar. Nossos amigos que nos acompanham desde o início, sabem que este é um desafio que nosso pastor no interior nos lançou, quando saímos de lá de SP… há mais de 2 anos. Enfim, encontramos algumas igrejas e, como o domingo se aproximava, escolhemos uma – mais fácil de achar e chegar – e fomos visitá-la. No entanto, nosso pastor no Rio nos havia indicado uma outra. Sem saber direito de como a indicação tinha surgido, ficamos intrigados com o fato de que não conseguimos encontrá-la…

Bom, até este momento, nossa ideia era ficar mais alguns dias em Porto Seguro e zarpar com a próxima “frente fria” que se aproximasse… até Camamú – BA… e, sem pressa, seguiríamos subindo sempre para o Norte, até chegar a época boa de se fazer a travessia. Foi então que em um dos nossos últimos dias em Porto Seguro, decidimos caminhar a tarde até o fim da orla… E avistamos a balsa que atravessa ao Arraial d’Ajuda. Ricardo quis atravessar, mas já estávamos meio cansados e queríamos voltar. Acabamos indo mesmo assim, e logo que atravessamos, chegamos a um hotel/marina que decidimos entrar para ver. O lugar era lindo, mas deveria ser os olhos da cara para estacionar o barco lá. Conversamos com um rapaz, que nos deu um número de celular de um outro funcionário para o qual ligamos em seguida (ainda na mesma tarde) e conseguimos um belo desconto, especialmente por não ser alta temporada. Resolvemos mudar a posição do veleiro, então, e na manhã seguinte, saímos cedinho e “voltamos” 2 nm (nautical miles) para o sul.

Entramos sem dificuldade pelo canal de Porto Seguro – que exige bastante atenção!!! – e manobramos e amarramos o Amar Sem Fim no pier do Hotel Marina Quinta do Porto. Enquanto eu terminava de acordar a tripulação e cuidar da parte de dentro da cabine, Ricardo saiu para fazer os desvios contatos com o pessoal da marina e, conversando com o rapaz do celular, descobrimos que ele mesmo era membro da tal igreja que ha tanto buscávamos. Fomos convidados a visitar a reunião de célula (um pequeno grupo onde se estuda a Palavra de Deus), e assim acabamos conhecendo um grupo incrível de cristãos que nos acolheu com muito carinho e amor.

No caminho para este encontro, e conversando com quem foi nos buscar, descobrimos que haveria um projeto missionário com o qual os membros daquela igreja estariam envolvidos e achamos interessante e até possível que ficássemos para servir junto a eles. Mas ainda não havíamos definido nada. Deus ainda estava para nos mostrar algo mais. Durante aquela semana, antes do nosso primeiro culto naquela igreja que acabávamos de encontrar e conhecer, conversando com um amigo de adolescência, Ricardo descobriu que este amigo viria a Porto Seguro no fim do mês de junho. Achamos legal e cogitamos brevemente a ideia de ficar e esperar até lá… mas seria tanto tempo!!! Entendendo melhor os motivos desta vinda a Porto Seguro, descobrimos que este amigo viria com a sua igreja, que estava envolvida em um projeto missionário junto a algumas igrejas de Porto Seguro.

Bom, quem me conhece sabe que não acredito em acaso ou coincidências… creio que tudo tem um propósito e que Deus não dá ponto sem nó!!! Acabou que os dois projetos estavam relacionados e decidimos que ficaríamos o mês todo de maio por aqui (colocando o homeschooling em dia) e também o de junho. A princípio, íamos apenas receber e encontrar nosso amigo (que vem com parte da família). Mas ao receber aqui no veleiro uma visita de um membro da igreja aqui de Porto Seguro, fomos convidados a servir durante o projeto, não apenas na última semana de junho (quando virá a igreja First Baptist Orlando), mas também nas anteriores (quando recebemos grupos de missionários de 3 igrejas diferentes no Tennessee).

Como disse, não há acaso! Não há coincidências! Deus não dá ponto sem nó e pra tudo Ele tem um propósito (mesmo que no momento não o entendamos)! Ele nos queria aqui, e fez com que entendêssemos a Sua vontade de forma tão clara que sentimo-nos imensamente abençoados!!! Isso não acontece, nem aconteceu somente conosco… Deus está sempre nos dando dicas, ou nos mandando recados bem claros, do que é que Ele quer que façamos, ou de como Ele quer que sirvamos… mas é importante ouvi-Lo. Não há outra forma de entender Suas orientações e direções se não estamos dispostos a gastar tempo com Ele, primeiro, e a seguí-lo!

Por isso, hoje, além de saberem o motivo que nos fez ficar em Porto Seguro – que além de tudo é uma cidade espetacular – deixo com vocês que nos lêem, uma reflexão: Será que sua vida não estaria mais em ordem se você não gastasse um pouco mais de tempo com a Palavra de Deus (que é o principal meio que Ele utiliza para falar com Seus amados)? Ou será que não estamos passando tempo de menos em comunhão com os irmãos e membros do corpo de Cristo (que é outro meio que Deus usa para falar conosco)? Ou ainda, será que temos nos colocado a disposição de Deus com um coração que O busca sinceramente, e busca a Sua vontade, e está disposto a ouvir e obedecer ao Pai?

Escrevo a vocês com muito amor, compartilhando parte da nossa história – da qual vocês, de uma forma ou outra ,fazem parte. Que Deus os abençoe e os guarde em Seu amor sem fim!

Amar Sem Fim!


6 Comentários

Abrolhos (e Caravelas)

A noite de terça-feira (21/05), nós abastecemos o Amar Sem Fim com água. Tínhamos abastecido com mantimentos já no dia anterior e terminamos algumas compras que ainda faltavam naquela noite mesmo.

Estacionamos o barco próximo ao píer lá do Yacht Club de Búzios e, enquanto o Ric observava o abastecimento, nos despedimos  dos amigos com quem tínhamos passado o dia, e saímos pra comer um hambúrguer com outros amigos que tínhamos encontrado ali em Búzios, e que estavam lá no clube quando chegamos.

Ok, tudo pronto. Algumas boas horas de descanso e bem cedinho na quarta-feira, 22, saímos para Abrolhos. A viagem seria um pouco longa… quase como a de Rio Grande (RS) até Floripa (SC). A previsão era de 55 a 60 horas de viagem… estávamos preparados e, tendo já estudado o clima, sabíamos que a previsão era muito boa. Ventos bons e constantes. Velejamos bastante… motoramos um pouquinho… dias lindos… muito sol, mar tranquilo…

Até que o motor parou!

Ok, seguimos apenas no vento, que já dava sinais de calmaria há algumas horas… reduzindo sua velocidade e intensidade…

Passamos a entrada de Vitória (ES) – que seria uma possível parada se os ventos morressem ou se viessem mais fortes do que o esperado… Sem motor, voltar a Vitória seria impossível. Principalmente porque navegar pelo canal até onde poderíamos ancorar, passando pelo porto etc, seria pouco, bem pouco prudente, e um tanto difícil.

Ficamos boiando por umas boas horas, até que o vento começou a acelerar novamente lá pelo meio da tarde. Como já devíamos estar entrando no terceiro dia de viagem, resolvemos levar mais a sério a questão dos turnos, uma vez que nós dois – Ric e eu – gostamos de ficar no cockpit se o tempo está bom… mesmo que não seja nosso turno. Evitaríamos assim, o cansaço desnecessário. Combinamos que eu ficaria das 20:00 até a meia-noite no cockpit no meu turno… ele descansaria e retomaria das 12:00 às 4:00am… quando eu assumiria depois, por mais umas horas. Teria o dia todo seguinte para descansar, e ele tbm, intercalando com cochilos e a presença das crianças, que planejo começar a incluir nos turnos (não sozinhas, mas apenas para irem se familiarizando com a situação de observação).

O vento que apareceu no meio da tarde veio bem gostoso. Nos levou a boa velocidade e a velejada até as 01:30 da manhã foi muito boa… Até que ele parou outra vez!

A esta altura estávamos ha umas 25 ou 30 milhas da costa, e o sinal para comunicação já era inexistente. Para acompanhar-nos, amigos e família tinham que contar com as atualizações do SPOT – que nos serviu muito bem!

Paramos quase o dia todo. Boiando… horas…

Foi lindo ver o sol nascendo no meio do nada. Ver cardumes de peixes grandes e coloridos ao redor do barco. A cor do mar naquela região é quase impossível descrever… e sua transparência, então… marcados pra sempre na lembrança.

Mais uma vez, no meio da tarde, o vento chegou e começou a acelerar, nos permitindo levantar velas e seguir viagem rumo a Abrolhos – BA… e foi este vento que nos levou até lá. Chegando com a “frente-fria”, com chuva e nuvens negras, porém tranquilos… As rajadas não passavam de 20 ou 25 nós.

Com receio de chegar à região ainda de noite, ou no escuro, resolvemos reduzir as velas… administrando a quantidade de “pano”, a velocidade do veleiro e a velocidade dos ventos. Enfim, tranquilamente, depois de 97 horas de viagem, chegamos a Abrolhos na manhã do domingo, 26… e descansamos!!!

Em Abrolhos, nos dias que se seguiram, pudemos conhecer o arquipélago, visitar ilhas, mergulhar, visitar o Farol, conhecer mais sobre os Atobás, as Fragatas, as Grazinas e sobre a ICMBio. As pessoas que conhecemos lá também foram muito acolhedoras e nos trataram com muito carinho – pelo que somos muitíssimo gratos.

Abrolhos não tem energia elétrica, sendo que usam uma pequena usina como gerador para a ilha. Telefone, internet e a comunicação em geral são bem limitados e conforme chegava perto da data do aniversário do meu pai (dia 28), meu coração começou a apertar. A ideia inicial era já estarmos em Caravelas no dia 28 (mesmo que a noite). Porque assim, por lá, eu conseguiria sinal e poderia me comunicar com ele e com minha família. Mas não conseguimos. Acabamos passando o dia 28 em Abrolhos mesmo – foi um dia lindo, com um por do sol maravilhoso e momentos de passeio e diversão para as crianças que também deverão ficar pra sempre guardados na lembrança.

Dia 29 cedo, saímos para Caravelas. Conseguimos combustível emprestado com 2 amigos, de dois veleiros diferentes, mas chegamos a caravelas praticamente só no vento, sem muita necessidade de gastar o pouco combustível que nos emprestaram.

Caravelas é lindinha! Agradecimento especial a amigos queridos que conhecemos em Abrolhos, nos emprestaram combustível e nos deram super apoio enquanto em Caravelas!!!! A cidade é pequena, mas muito charmosa. Na noite do dia em que chegamos (29) Ric comprou um pouco mais de mantimento e descansamos bem. No dia seguinte, conhecemos a cidade e fizemos uma boa compra para as próximas viagens que ainda não havíamos definido se seriam até Salvador, Camamú, Porto Seguro etc…

Por fim, decidimos que pararíamos em Porto Seguro, mesmo. Mas que sairíamos em seguida (dois ou três dias depois) em direção a Salvador. Ainda nestes dias, nossos planos eram de chegar ao Caribe antes de (ou junto com) a temporada de furacões… ainda em Junho. Aos poucos, já em Porto Seguro, descobriríamos mais uma vez, que os planos de Deus pra nós são sempre perfeitos, sempre muito melhores do que os nossos, e nos proporcionam muito, mais muito mais do que podemos pedir ou sequer imaginar.

Chegamos em Porto seguro depois de apenas 19 horas de viagem, no dia 01 de Maio. Acho que ficamos um pouco mais de 1 semana em Coroa Vermelha (Cabralia/Porto Seguro)… Mas hoje escrevo pra vocês de Arraial d’Ajuda (vizinha de Porto Seguro), onde estamos há 8 dias… e onde devemos ficar por mais algum tempo (indefinido, ainda).

O próximo post conta sobre nossos primeiros dias aqui na região de Porto Seguro, Cabralia e Arraial… e sobre como Deus tem nos guiado e nos abençoado durante nossa aventura toda!

AmarSemFim /)/)


Deixe um comentário

Arraial do Cabo / Cabo Frio / Buzios

A partida do Rio foi emocionante… passamos 2,5 meses na cidade maravilhosa e deixá-la (e tudo que vivemos lá e todos que encontramos, reencontramos e conhecemos também) foi doloroso. Mas estávamos, ao mesmo tempo, empolgados com a perspectiva de viver novas aventuras, encontrar amigos e conhecer novas pessoas…

A empolgação era grande e partimos cedinho de lá… em direção ao Boqueirão (na região de Cabo Frio e Arraial do Cabo).

A viagem foi inteira no motor. Não havia ventos! Pouco menos de 12 horas de viagem. O mar estava completamente sem ondas. Parecia uma lagoa. Vimos golfinhos no caminho. Ficaram um bom tempo com a gente e pedi ao Ric que os filmasse ou tirasse fotos, enquanto observávamos o passeio deles em torno do veleiro. Triste foi a nossa surpresa quando vimos que nada tinha sido filmado. Ric não conseguiu acertar o foco e as imagens do mar, sem ondas, ficaram registradas, e nada mais.. nada além delas… nada de golfinhos! 😦

Conforme foi terminando o dia, de repente, baixou uma forte névoa. Em alguns momentos, cheguei a me preocupar porque a visibilidade era muito reduzida e a entrada pelo boqueirão era estreita. Sim, o mar estava calmo e não havia ventos… mas mesmo assim… Finalizamos a viagem apenas por instrumentos, uma vez que o anoitecer e a névoa nos impediam de enxergar direito.

Pela carta náutica, achamos uma boa localização para ancorar e, por volta das 18:30, já tínhamos ancorado e desligado todos os equipamentos… Banho quente (uma vez que o motor aqueceu a água do banho) e cama.

Ancoramos pertinho de uma base da Marinha. Tomamos café e curtimos bastante o mar, mergulhando, pescando etc

Foram poucos dias na região. Acho que nem sequer uma semana inteira. Mas foi o suficiente para nos apaixonarmos pelas águas de Arraial do Cabo, Cabo Frio e Búzios, para revermos amigos queridos, para matar a vontade de mergulhar no mar – uma vez que na Baia de Guanabara o mergulho era simplesmente impraticável… (fotos da Baia de Guanabara, mais abaixo).

Logo já nos preparamos para sair em direção a Abrolhos. Aí sim, seriam mais dias de viagem. Mas olhando bem a previsão, passaríamos por ventos suaves e constantes que nos levariam ao nosso destino em pouco mais do que 2 dias… Mas não foi bem assim.

Achar que não precisávamos de combustível e abastecer o barco apenas com água foi o maior erro que já cometemos…

Logo mais vem post da viagem até Abrolhos e a parada em Caravelas.

AmarSemFim /)/)