ūüáļūüáł AmarSemfim sailboat / ūüáßūüá∑ veleiro amarsemfim

ūüáļūüáł Jeremiah 31:3 / ūüáßūüá∑ Jeremias 31:3


1 coment√°rio

Porto Seguro – Nada √© por acaso!

Já faz tempo que eu queria compartilhar com todos o porquê da nossa estada prolongada em Porto Seguro, Bahia.

Infelizmente, algumas coisas acabaram impedindo o post de sair mais cedo. A internet, apesar de ter melhorado muito, ainda é um problema para nós. De qualquer modo, o post está aqui! Saiu! E espero que vocês que nos acompanham, desfrutem da leitura!

Chegamos em Porto Seguro no dia 02 de maio (2015), e nossa previs√£o inicial era de abastecer, e seguir viagem. Depois de descansarmos um pouco, sa√≠mos para conhecer a cidade um dia‚Ķ ver o centro-hist√≥rico no outro‚Ķ encontrar amigos da vela em um outro dia ainda‚Ķ e assim, a coisa foi se prolongando um pouquinho. Mas em um dos bate-papos (e em algumas trocas de mensagens no fb), acabamos sendo convencidos (e percebemos que era o mais sensato a se fazer, de qualquer maneira) de que correr para chegar em Fortaleza e fazer a travessia ainda antes de junho seria loucura. Al√©m da correria, seria perigoso. Apesar da temporada de furac√Ķes estar ainda come√ßando, o risco est√° l√°! Esta n√£o √© a melhor √©poca pra se fazer a travessia‚Ķ N√£o √© necess√°rio correr este risco. Mas isso queria dizer que nossa sa√≠da do Brasil demoraria ainda outros 6 meses mais. N√≥s n√£o reclamamos, exatamente‚Ķ mas n√£o est√°vamos de todo contentes. V√≠nhamos ansiosos e empolgados com a sa√≠da ‚Äúlogo a√≠ na frente‚ÄĚ e a decis√£o, embora sendo a mais sensata, frustrou um pouco nossos planos.

MAS… sabemos que diferente dos nossos planos, os de Deus jamais podem ser frustrados… são infinitamente mais do que pedimos ou pensamos… sempre contribuem para o bem dos que O amam… e são para nos dar um futuro e esperança (Jó 42:2, Efésios 3:20, Romanos 8:28, Jeremias 29:11).

Agora, então, conto o verdadeiro motivo da nossa estada prolongada… que naqueles dias, ainda não conhecíamos.

Quando chegamos aqui em Porto Seguro, naquele dia 02 de maio, uma das primeiras coisas que fiz foi procurar uma igreja para congregar. Nossos amigos que nos acompanham desde o início, sabem que este é um desafio que nosso pastor no interior nos lançou, quando saímos de lá de SP… há mais de 2 anos. Enfim, encontramos algumas igrejas e, como o domingo se aproximava, escolhemos uma Рmais fácil de achar e chegar Рe fomos visitá-la. No entanto, nosso pastor no Rio nos havia indicado uma outra. Sem saber direito de como a indicação tinha surgido, ficamos intrigados com o fato de que não conseguimos encontrá-la…

Bom, at√© este momento, nossa ideia era ficar mais alguns dias em Porto Seguro e zarpar com a pr√≥xima ‚Äúfrente fria‚ÄĚ que se aproximasse‚Ķ at√© Camam√ļ – BA‚Ķ e, sem pressa, seguir√≠amos subindo sempre para o Norte, at√© chegar a √©poca boa de se fazer a travessia. Foi ent√£o que em um dos nossos √ļltimos dias em Porto Seguro, decidimos caminhar a tarde at√© o fim da orla‚Ķ E avistamos a balsa que atravessa ao Arraial d‚ÄôAjuda. Ricardo quis atravessar, mas j√° est√°vamos meio cansados e quer√≠amos voltar. Acabamos indo mesmo assim, e logo que atravessamos, chegamos a um hotel/marina que decidimos entrar para ver. O lugar era lindo, mas deveria ser os olhos da cara para estacionar o barco l√°. Conversamos com um rapaz, que nos deu um n√ļmero de celular de um outro funcion√°rio para o qual ligamos em seguida (ainda na mesma tarde) e conseguimos um belo desconto, especialmente por n√£o ser alta temporada. Resolvemos mudar a posi√ß√£o do veleiro, ent√£o, e na manh√£ seguinte, sa√≠mos cedinho e ‚Äúvoltamos” 2 nm (nautical miles) para o sul.

Entramos sem dificuldade pelo canal de Porto Seguro Рque exige bastante atenção!!! Рe manobramos e amarramos o Amar Sem Fim no pier do Hotel Marina Quinta do Porto. Enquanto eu terminava de acordar a tripulação e cuidar da parte de dentro da cabine, Ricardo saiu para fazer os desvios contatos com o pessoal da marina e, conversando com o rapaz do celular, descobrimos que ele mesmo era membro da tal igreja que ha tanto buscávamos. Fomos convidados a visitar a reunião de célula (um pequeno grupo onde se estuda a Palavra de Deus), e assim acabamos conhecendo um grupo incrível de cristãos que nos acolheu com muito carinho e amor.

No caminho para este encontro, e conversando com quem foi nos buscar, descobrimos que haveria um projeto missionário com o qual os membros daquela igreja estariam envolvidos e achamos interessante e até possível que ficássemos para servir junto a eles. Mas ainda não havíamos definido nada. Deus ainda estava para nos mostrar algo mais. Durante aquela semana, antes do nosso primeiro culto naquela igreja que acabávamos de encontrar e conhecer, conversando com um amigo de adolescência, Ricardo descobriu que este amigo viria a Porto Seguro no fim do mês de junho. Achamos legal e cogitamos brevemente a ideia de ficar e esperar até lá… mas seria tanto tempo!!! Entendendo melhor os motivos desta vinda a Porto Seguro, descobrimos que este amigo viria com a sua igreja, que estava envolvida em um projeto missionário junto a algumas igrejas de Porto Seguro.

Bom, quem me conhece sabe que n√£o acredito em acaso ou coincid√™ncias‚Ķ creio que tudo tem um prop√≥sito e que Deus n√£o d√° ponto sem n√≥!!! Acabou que os dois projetos estavam relacionados e decidimos que ficar√≠amos o m√™s todo de maio por aqui (colocando o homeschooling em dia) e tamb√©m o de junho. A princ√≠pio, √≠amos apenas receber e encontrar nosso amigo (que vem com parte da fam√≠lia). Mas ao receber aqui no veleiro uma visita de um membro da igreja aqui de Porto Seguro, fomos convidados a servir durante o projeto, n√£o apenas na √ļltima semana de junho (quando vir√° a igreja First Baptist Orlando), mas tamb√©m nas anteriores (quando recebemos grupos de mission√°rios de 3 igrejas diferentes no Tennessee).

Como disse, n√£o h√° acaso! N√£o h√° coincid√™ncias! Deus n√£o d√° ponto sem n√≥ e pra tudo Ele tem um prop√≥sito (mesmo que no momento n√£o o entendamos)! Ele nos queria aqui, e fez com que entend√™ssemos a Sua vontade de forma t√£o clara que sentimo-nos imensamente aben√ßoados!!! Isso n√£o acontece, nem aconteceu somente conosco‚Ķ Deus est√° sempre nos dando dicas, ou nos mandando recados bem claros, do que √© que Ele quer que fa√ßamos, ou de como Ele quer que sirvamos‚Ķ mas √© importante ouvi-Lo. N√£o h√° outra forma de entender Suas orienta√ß√Ķes e dire√ß√Ķes se n√£o estamos dispostos a gastar tempo com Ele, primeiro, e a segu√≠-lo!

Por isso, hoje, além de saberem o motivo que nos fez ficar em Porto Seguro Рque além de tudo é uma cidade espetacular Рdeixo com vocês que nos lêem, uma reflexão: Será que sua vida não estaria mais em ordem se você não gastasse um pouco mais de tempo com a Palavra de Deus (que é o principal meio que Ele utiliza para falar com Seus amados)? Ou será que não estamos passando tempo de menos em comunhão com os irmãos e membros do corpo de Cristo (que é outro meio que Deus usa para falar conosco)? Ou ainda, será que temos nos colocado a disposição de Deus com um coração que O busca sinceramente, e busca a Sua vontade, e está disposto a ouvir e obedecer ao Pai?

Escrevo a vocês com muito amor, compartilhando parte da nossa história Рda qual vocês, de uma forma ou outra ,fazem parte. Que Deus os abençoe e os guarde em Seu amor sem fim!

Amar Sem Fim!


6 Coment√°rios

Abrolhos (e Caravelas)

A noite de terça-feira (21/05), nós abastecemos o Amar Sem Fim com água. Tínhamos abastecido com mantimentos já no dia anterior e terminamos algumas compras que ainda faltavam naquela noite mesmo.

Estacionamos o barco pr√≥ximo ao p√≠er l√° do Yacht Club de B√ļzios e, enquanto o Ric observava o abastecimento, nos despedimos¬† dos amigos com quem t√≠nhamos passado o dia, e sa√≠mos pra comer um hamb√ļrguer com outros amigos que t√≠nhamos encontrado ali em B√ļzios, e que estavam l√° no clube quando chegamos.

Ok, tudo pronto. Algumas boas horas de descanso e bem cedinho na quarta-feira, 22, saímos para Abrolhos. A viagem seria um pouco longa… quase como a de Rio Grande (RS) até Floripa (SC). A previsão era de 55 a 60 horas de viagem… estávamos preparados e, tendo já estudado o clima, sabíamos que a previsão era muito boa. Ventos bons e constantes. Velejamos bastante… motoramos um pouquinho… dias lindos… muito sol, mar tranquilo…

Até que o motor parou!

Ok, seguimos apenas no vento, que já dava sinais de calmaria há algumas horas… reduzindo sua velocidade e intensidade…

Passamos a entrada de Vitória (ES) Рque seria uma possível parada se os ventos morressem ou se viessem mais fortes do que o esperado… Sem motor, voltar a Vitória seria impossível. Principalmente porque navegar pelo canal até onde poderíamos ancorar, passando pelo porto etc, seria pouco, bem pouco prudente, e um tanto difícil.

Ficamos boiando por umas boas horas, até que o vento começou a acelerar novamente lá pelo meio da tarde. Como já devíamos estar entrando no terceiro dia de viagem, resolvemos levar mais a sério a questão dos turnos, uma vez que nós dois РRic e eu Рgostamos de ficar no cockpit se o tempo está bom… mesmo que não seja nosso turno. Evitaríamos assim, o cansaço desnecessário. Combinamos que eu ficaria das 20:00 até a meia-noite no cockpit no meu turno… ele descansaria e retomaria das 12:00 às 4:00am… quando eu assumiria depois, por mais umas horas. Teria o dia todo seguinte para descansar, e ele tbm, intercalando com cochilos e a presença das crianças, que planejo começar a incluir nos turnos (não sozinhas, mas apenas para irem se familiarizando com a situação de observação).

O vento que apareceu no meio da tarde veio bem gostoso. Nos levou a boa velocidade e a velejada até as 01:30 da manhã foi muito boa… Até que ele parou outra vez!

A esta altura est√°vamos ha umas 25 ou 30 milhas da costa, e o sinal para comunica√ß√£o j√° era inexistente. Para acompanhar-nos, amigos e fam√≠lia tinham que contar com as atualiza√ß√Ķes do SPOT – que nos serviu muito bem!

Paramos quase o dia todo. Boiando… horas…

Foi lindo ver o sol nascendo no meio do nada. Ver cardumes de peixes grandes e coloridos ao redor do barco. A cor do mar naquela região é quase impossível descrever… e sua transparência, então… marcados pra sempre na lembrança.

Mais uma vez, no meio da tarde, o vento chegou e come√ßou a acelerar, nos permitindo levantar velas e seguir viagem rumo a Abrolhos – BA‚Ķ e foi este vento que nos levou at√© l√°. Chegando com a ‚Äúfrente-fria‚ÄĚ, com chuva e nuvens negras, por√©m tranquilos‚Ķ As rajadas n√£o passavam de 20 ou 25 n√≥s.

Com receio de chegar √† regi√£o ainda de noite, ou no escuro, resolvemos reduzir as velas‚Ķ administrando a quantidade de ‚Äúpano‚ÄĚ, a velocidade do veleiro e a velocidade dos ventos. Enfim, tranquilamente, depois de 97 horas de viagem, chegamos a Abrolhos na manh√£ do domingo, 26‚Ķ e descansamos!!!

Em Abrolhos, nos dias que se seguiram, pudemos conhecer o arquipélago, visitar ilhas, mergulhar, visitar o Farol, conhecer mais sobre os Atobás, as Fragatas, as Grazinas e sobre a ICMBio. As pessoas que conhecemos lá também foram muito acolhedoras e nos trataram com muito carinho Рpelo que somos muitíssimo gratos.

Abrolhos não tem energia elétrica, sendo que usam uma pequena usina como gerador para a ilha. Telefone, internet e a comunicação em geral são bem limitados e conforme chegava perto da data do aniversário do meu pai (dia 28), meu coração começou a apertar. A ideia inicial era já estarmos em Caravelas no dia 28 (mesmo que a noite). Porque assim, por lá, eu conseguiria sinal e poderia me comunicar com ele e com minha família. Mas não conseguimos. Acabamos passando o dia 28 em Abrolhos mesmo Рfoi um dia lindo, com um por do sol maravilhoso e momentos de passeio e diversão para as crianças que também deverão ficar pra sempre guardados na lembrança.

Dia 29 cedo, saímos para Caravelas. Conseguimos combustível emprestado com 2 amigos, de dois veleiros diferentes, mas chegamos a caravelas praticamente só no vento, sem muita necessidade de gastar o pouco combustível que nos emprestaram.

Caravelas √© lindinha! Agradecimento especial a amigos queridos que conhecemos em Abrolhos, nos emprestaram combust√≠vel e nos deram super apoio enquanto em Caravelas!!!! A cidade √© pequena, mas muito charmosa. Na noite do dia em que chegamos (29) Ric comprou um pouco mais de mantimento e descansamos bem. No dia seguinte, conhecemos a cidade e fizemos uma boa compra para as pr√≥ximas viagens que ainda n√£o hav√≠amos definido se seriam at√© Salvador, Camam√ļ, Porto Seguro etc‚Ķ

Por fim, decidimos que parar√≠amos em Porto Seguro, mesmo. Mas que sair√≠amos em seguida (dois ou tr√™s dias depois) em dire√ß√£o a Salvador. Ainda nestes dias, nossos planos eram de chegar ao Caribe antes de (ou junto com) a temporada de furac√Ķes‚Ķ ainda em Junho. Aos poucos, j√° em Porto Seguro, descobrir√≠amos mais uma vez, que os planos de Deus pra n√≥s s√£o sempre perfeitos, sempre muito melhores do que os nossos, e nos proporcionam muito, mais muito mais do que podemos pedir ou sequer imaginar.

Chegamos em Porto seguro depois de apenas 19 horas de viagem, no dia 01 de Maio. Acho que ficamos um pouco mais de 1 semana em Coroa Vermelha (Cabralia/Porto Seguro)… Mas hoje escrevo pra vocês de Arraial d’Ajuda (vizinha de Porto Seguro), onde estamos há 8 dias… e onde devemos ficar por mais algum tempo (indefinido, ainda).

O próximo post conta sobre nossos primeiros dias aqui na região de Porto Seguro, Cabralia e Arraial… e sobre como Deus tem nos guiado e nos abençoado durante nossa aventura toda!

AmarSemFim /)/)


Deixe um coment√°rio

Arraial do Cabo / Cabo Frio / Buzios

A partida do Rio foi emocionante… passamos 2,5 meses na cidade maravilhosa e deixá-la (e tudo que vivemos lá e todos que encontramos, reencontramos e conhecemos também) foi doloroso. Mas estávamos, ao mesmo tempo, empolgados com a perspectiva de viver novas aventuras, encontrar amigos e conhecer novas pessoas…

A empolgação era grande e partimos cedinho de lá… em direção ao Boqueirão (na região de Cabo Frio e Arraial do Cabo).

A viagem foi inteira no motor. N√£o havia ventos! Pouco menos de 12 horas de viagem. O mar estava completamente sem ondas. Parecia uma lagoa. Vimos golfinhos no caminho. Ficaram um bom tempo com a gente e pedi ao Ric que os filmasse ou tirasse fotos, enquanto observ√°vamos o passeio deles em torno do veleiro. Triste foi a nossa surpresa quando vimos que nada tinha sido filmado. Ric n√£o conseguiu acertar o foco e as imagens do mar, sem ondas, ficaram registradas, e nada mais.. nada al√©m delas‚Ķ nada de golfinhos! ūüė¶

Conforme foi terminando o dia, de repente, baixou uma forte névoa. Em alguns momentos, cheguei a me preocupar porque a visibilidade era muito reduzida e a entrada pelo boqueirão era estreita. Sim, o mar estava calmo e não havia ventos… mas mesmo assim… Finalizamos a viagem apenas por instrumentos, uma vez que o anoitecer e a névoa nos impediam de enxergar direito.

Pela carta náutica, achamos uma boa localização para ancorar e, por volta das 18:30, já tínhamos ancorado e desligado todos os equipamentos… Banho quente (uma vez que o motor aqueceu a água do banho) e cama.

Ancoramos pertinho de uma base da Marinha. Tomamos café e curtimos bastante o mar, mergulhando, pescando etc

Foram poucos dias na regi√£o. Acho que nem sequer uma semana inteira. Mas foi o suficiente para nos apaixonarmos pelas √°guas de Arraial do Cabo, Cabo Frio e B√ļzios, para revermos amigos queridos, para matar a vontade de mergulhar no mar – uma vez que na Baia de Guanabara o mergulho era simplesmente impratic√°vel‚Ķ (fotos da Baia de Guanabara, mais abaixo).

Logo já nos preparamos para sair em direção a Abrolhos. Aí sim, seriam mais dias de viagem. Mas olhando bem a previsão, passaríamos por ventos suaves e constantes que nos levariam ao nosso destino em pouco mais do que 2 dias… Mas não foi bem assim.

Achar que não precisávamos de combustível e abastecer o barco apenas com água foi o maior erro que já cometemos…

Logo mais vem post da viagem até Abrolhos e a parada em Caravelas.

AmarSemFim /)/)


2 Coment√°rios

RIO – 74

Setenta e quatro dias no Rio de Janeiro… Para quem não ia nem entrar… para quem não queria nem parar na cidade maravilhosa, setenta e quatro dias foram surpreendentes!

Foram tantas coisas experimentadas por lá… E não poderíamos ser mais gratos a Deus pelo fato dEle ter no levado até lá… e lá nos guardado e abrigado… derramando sempre mais das Suas bênçãos.

Quem imaginaria, por exemplo, que ficar√≠amos ancorados na Urca? A hospedagem no Yacht Club do Rio era simplesmente impratic√°vel‚Ķ t√£o absurda quanto a de¬†Ilhabela – SP. A solu√ß√£o que achamos foi ancorar em uma praia ali perto‚Ķ pertinho‚Ķ a praia da Urca… e ali esperar a pe√ßa (que ficou danificada com os ventos fortes da chegada) ficar pronta (mal sabendo que levaria mais de 2 meses). Descobrimos que a Urca √© o √ļnico bairro na cidade do Rio que n√£o tem favelas. L√°, h√° uma base da marinha e do ex√©rcito‚Ķ uma escola superior de guerra‚Ķ apenas uma entrada para o bairro. Uma rua por onde entram ou saem. E na estrada do bairro, nesta ‚Äúuma‚ÄĚ rua, um posto da policia militar. Acho que era o lugar mais seguro que poder√≠amos estar!!!

Quem imaginaria tamb√©m, que nesta mesma rua encontrar√≠amos uma boa igreja (a PIBUrca – Primeira Igreja Batista da Urca)? Que visitamos logo que chegamos e procuramos frequentar sempre que os finais de semana nos permitissem‚Ķ e tamb√©m algum culto durante a semana. Que nos acolheu com tanto amor e carinho‚Ķ que veio ao AmarSemFim, onde ministraram um culto de louvor e adora√ß√£o ao Senhor‚Ķ o primeiro (de muitos que, esperamos, ainda vir√£o). De quem nos despedimos com tanto carinho e quem levamos junto conosco por onde vamos, em nossos cora√ß√Ķes!!!

Tampouco imaginaríamos que ali, encontraríamos um pet shop bom!!! Que cuidou mto bem da nossa pet e mascote, Jolie… e que nos indicou nada mais e nada menos do que uma dermato de cachorros!!! Sim, existe esta especialidade veterinária e foi alí que salvamos nossa pequena shih-tzu da alergia que judiava tanto da pele (e pelo) dela! A veterinária (Dra. Caroline) fez vários exames na Jolie e conseguiu pontuar com precisão o que a perturbava e, dessa forma, pode tratar dela… que ainda hoje se encontra com sua pele e pelo 100% recuperados!!!

S√£o tantos ‚Äúquem imaginaria‚ÄĚ que tenho que tomar cuidado, pois certamente vou deixar algo de lado‚Ķ

L√° na Urca, passamos o carnaval do Rio de uma maneira bem segura e tranquila! Foi pra l√° que muitas vezes, fam√≠lia, fam√≠lia estendida (ou agregados) e amigos e irm√£os na f√© se dirigiram‚Ķ ou para nos buscar para um churrasco, uma visita, um almo√ßo, a visita a uma igreja‚Ķ ou para velejar ou navegar um pouco com a gente no AmarSemFim. Foi l√° na Urca que tiramos v√°rias fotos de nascer e p√īr-do-sol‚Ķ com queridos‚Ķ ou as vezes s√≥ n√≥s mesmos. Foi ali na Urca tamb√©m que nos desentendemos numa manh√£ de s√°bado‚Ķ quando a estada prolongada e as d√ļvidas come√ßaram a incomodar e colidiram naquela manh√£‚Ķ Foi ali mesmo tamb√©m que pedimos perd√£o e nos perdoamos‚Ķ e seguimos adiante, mais firmes, dedicados e decididos do que nunca. Foi ali que conhecemos amigos (v√°rios) de diferentes partes do mundo‚Ķ Alemanha, Su√≠√ßa, Irlanda, Austr√°lia e √Āfrica do Sul‚Ķ

Quando finalmente sa√≠mos do Rio, uma amiga, irm√£ querida nos escreveu – o que me encheu de l√°grimas – que a paisagem da Urca nunca mais seria a mesma‚Ķ pois o AmarSemFim j√° era parte dela! E foi assim mesmo que nos sentimos quando tivemos que nos despedir… deixando um pedacinho da gente ali an Urca.

Sabemos que n√£o √© um ‚Äúadeus‚Ä̂Ķ E, de certa forma, somos gratos a Deus pelas despedidas; porque s√£o momentos t√£o ternos de carinho que sentimo-nos abra√ßados por Deus. Agrade√ßo a maneira que estas despedidas nos proporcionaram momentos t√£o preciosos com as crian√ßas. Quando pudemos trabalhar a dor e o sofrimento, a import√Ęncia de se passar por eles, mas a vit√≥ria de poder olhar para eles com ternura, amor e carinho, e ao mesmo tempo olhar para frente‚Ķ para o que Deus ainda tem pra n√≥s l√° na frente‚Ķ e nos maravilharmos ainda mais; porque podemos confiar em Suas promessas, quando nos diz que Seus planos s√£o perfeitos e que Ele sempre quer o melhor para n√≥s – mesmo que este melhor, para n√≥s, na hora n√£o fa√ßa sentido, ou n√£o pare√ßa nada bom!

Ficar na Urca estes 2,5 meses nos permitiu tamb√©m conhecer melhor o curr√≠culo de homeschooling que adotamos para este ano (Sonlight), e nos desenvolver tanto nos conte√ļdos acad√™micos quanto nas quest√Ķes espirituais. Quando, por exemplo, tivemos a incr√≠vel oportunidade de estudar sobre da vida de Pedro profundamente, trabalhando com um livro (Starting Strong) que faz parte do curr√≠culo. Foi ali tamb√©m que pudemos devorar v√°rios livros nas tardes de chuva, ou tempo feio‚Ķ ou quando n√£o est√°vamos atr√°s de um cinema (no RioSul – quintal de casa rs).

No Rio, pude passar tempo com meu primo e sua fam√≠lia. Mais tempo do que passamos juntos nos √ļltimos quinze anos (como ele mesmo comentou). Pudemos estreitar os la√ßos com a fam√≠lia estendida do meu irm√£o mais velho, encontrando-nos com seus sogros e cunhados, e com eles vivendo uma comunh√£o muito gostosa e desenvolvendo uma amizade que tamb√©m levamos sempre conosco. Pudemos rever amigos da igreja que n√£o v√≠amos h√° anos‚Ķ e n√£o digo poucos anos‚Ķ e sim uns 15, pelo menos‚Ķ E nos encontrar com mais amigos da igreja que n√£o v√≠amos a bem menos tempo, mas que nem por isso s√£o menos queridos!!! E foi l√° que fizemos ainda mais amizades‚Ķ dentro da igreja, fora, dentro do meio n√°utico, fora‚Ķ etc‚Ķ Foi l√° que tamb√©m pudemos visitar marcos incr√≠veis como a Floresta da Tijuca, o Morro da Urca e o P√£o de A√ß√ļcar, e o Corcovado e o Cristo Redentor.

Agora p√°ra tudo e pensa como n√£o podemos ser gratos a Deus pelo tempo que Ele nos concedeu‚Ķ nos presenteou, l√° no Rio?! Viu, n√£o d√°, n√©? √Č imposs√≠vel!!! ūüôā

#AmarSemFim /)/)


1 coment√°rio

B√ļzios!!! (Ou Rio?)

Sim, Rio!!!

N√£o‚Ķ n√£o era o Rio o nosso destino final – da perna Ilhabela (SP) > B√ļzios (RJ).

Rio sempre esteve entre as minhas paradas obrigatórias.

Rio não era bem o destino que o Ric tinha em mente… ou as crianças.

Infelizmente, pelas noticias que a mídia apresenta, meus filhos tinham medo de parar e conhecer o Rio de Janeiro… meu marido também.

Confesso que eu tamb√©m tinha‚Ķ tenho! Mas ainda assim‚Ķ poxa vida‚Ķ O Rio √© o Rio, n√©? N√£o d√° para simplesmente passar batido!!! Mas foi isso que foi decidido antes de planejarmos a perna, e assim seria‚Ķ como comentariam muitos internautas ‚Äú#SQN‚ÄĚ!!!

Deus tinha planos distintos pra nós… para o Amar Sem Fim e para mais outras pessoas com as quais tivemos contato.

Pegamos chuva desde o inicio da viagem (saímos da Ilha as 7:45am do dia 30/01/15). Confesso que as primeiras horas foram tranquilas. Tempo fechado, quase sem vento… nosso tripulante até meio encafifado… poxa, não vamos velejar?! rsrsrs

Logo… passando Ubatuba, começamos a enfrentar leves chuvas e ventos mais significativos… As chuvas vinham e iam… leves a principio. Os ventos estavam  muito bons e estáveis… seguimos com as velas abertas… durante quase toda a viagem (com exceção das primeiras horas).

Seriam ao todo entre 30 e 34 horas de viagem entre Ilhabela e Buzios. Com 1/3 da viagem completo, estávamos na altura de Angra. Ali, as chuvas ainda estavam calmas… esparsas… O mar seguia normal. Na região da ponta da Joatinga, claro, estava meio chato. Mas nada que realmente perturbasse.

Pouco depois de Angra (aprox. 19:00 do mesmo dia),¬† as chuvas come√ßaram a apertar. Eram mais negras (ainda era hor√°rio de ver√£o‚Ķ), mais carregadas, acompanhadas de muitos raios e trov√Ķes. O vento, de vez em quando, apertava um pouco‚Ķ subia at√© uns 20, 22 knots‚Ķ O mar seguia sem assustar‚Ķ As velas seguiam abertas: genoa, mestra e mezena.

A noite chegou e seguimos bem. Do mesmo jeito. Chuvas mais fortes do que no come√ßo, mais raios e trov√Ķes‚Ķ mais rajadas‚Ķ V√≠nhamos or√ßando desde que o vento come√ßou, fraquinho, la em Ubatuba‚Ķ de como o barco se posicionara (para chegarmos a B√ļzios) , ele soprava a 30¬ļ por boreste‚Ķ variando um pouquinho‚Ķ nos for√ßando a arribar algumas vezes pra que n√£o adernasse muito, e para que tamb√©m n√£o sa√≠ssemos muito do rumo.

Lá em baixo, na cabine principal, deitei um pouco com as crianças. O amigo que nos acompanhava também se recolheu por um tempinho enquanto estava ainda no começo da noite.

Por volta da meia-noite, a coisa começou a apertar e subi para ver como estava tudo. As vezes temos a impressão errada, lá de baixo, dentro da cabine. As vezes parece melhor do que realmente está… e as vezes parece pior. Este não era nem um caso, nem outro. Parecia exatamente como estava… nem tão ruim… nem tão bom. Lembro-me de sugerir baixar as velas… seguir no motor… sentia adernar muito… orçava muito… A esta altura, se bem me lembro, já estávamos com a mestra baixada. Estavam somente a genoa e a mezena abertas.

Algumas coisas na sala caíram… muitas coisas caíram.

As crianças foram deitar na cabine delas, onde escorregavam menos, quando o barco adernava muito. Dormiram.

Por volta das 2:00am, decidi que já descansara o suficiente e subi para fazer companhia para o Ric. Sei que ele gosta de velejar a noite toda… só me delega as velas e o motor quando já está amanhecendo… mas gosto de lhe fazer companhia. Um papo as vezes distrai e faz o tempo passar. Não dava!!! Era muita chuva, muito vento, muito raio e muito trovão. A companhia ia ser apenas física… nada de papo. Mas ainda não estava assim tão ruim.

Acomodei-me em um lado do cockpit e, por algum motivo (que agora reconheço ter sido a mão de Deus), olhei para cima e para fora do barco. Acho que buscava a intensidade da chuva… as nuvens… Não sei. Vi que um lado da cruzeta do mastro principal trepidava. Que estranho. Pensei em falar pro Ric. Pensei que seria bobeira falar. Talvez ela trepidasse e eu é que nunca havia notado… Eu já havia comentado que talvez fosse bom baixar todas as velas. Que se o vento apertasse talvez não conseguíssemos baixa-las e tudo ficasse mais difícil. Mas ele estava muito tranquilo e seguro de como levava o AmarSemFm pelos mares da costa do Rio. Olhei para cima outra vez e a pá da cruzeta (que trepidava ha pouco) já não estava mais lá, e sim dependurada por um fio que resistia ainda ao seu peso… e balançava lá do alto… pra cima do meio do mastro. Neste momento alertei o Ric de que perdêramos uma cruzeta. Sem alarde, não queria assustá-lo. Ricardo observou, acionou-nos e recolhemos a genoa. A mezena permaneceu… estava difícil de baixá-la, por um lado; e por outro, era bom que permanecesse para dar-nos mais estabilidade.

O AmarSemFim navegava com firmeza. Cortando ondas mais altas (mas nem tanto), enfrentando os ventos (que beiraram 40 knots), as chuvas, os raios e trov√Ķes.

As chuvas, há tempos, deixaram de ser esparsas… e uma tempestade se juntava a outra, dando-nos quase nenhum tempo de intervalo… Ao final… já na altura do Recreio (RJ), entendemos que já não eram chuvas que se encontravam, mais uma tempestade só… O mar, curiosamente… igual sempre… durante toda a viagem. Com exceção de uma ou outra onde mais alta… que nos fazia adernar mais… Mas confesso que nada assustador. Na verdade, era assustador, sim, mas pelo simples fato de ser noite, e não conseguirmos ver muita coisa.

A esta altura, com a pá da cruzeta solta, balançando… já não sabia se era bom que ela caísse no mar de vez, ou que ela caísse no convés (depois que tiramos a outra pá, no dia seguinte, e me dei conta do seu peso, agradeci a Deus por ela ter caído na água do mar, direto, e se perdido. Nem imagino o dano maior que teria causado, se tivesse caído daquela altura, com seu peso, no convés do AmarSemFim).

Com tudo isso, o moral da tripulação (que ainda permanecia acordada), começou a ficar abalado.

Roupas molhadas (mesmo as imperme√°veis), cabelos pingando, gotas e mais gotas escorrendo pelo rosto misturadas ao suor, raios (que iluminavam¬† noite, e com os quais eu contava para poder avaliar a altura do mar) e trov√Ķes, a chuva que entrava horizontalmente pelo cockpit‚Ķ Era hora de contatar a marinha, informando a avaria e nossa ultima posi√ß√£o. Mas o r√°dio n√£o funcionava. N√£o o nosso, mas o canal de acesso‚Ķ o tal do 16‚Ķ n√£o funcionava. Ouvimos e nos comunic√°vamos em outros canais, mas o 16‚Ķ nada! Por fim, decidimos chamar o iate clube do RJ pelo telefone. A esta altura (umas 3:00am mais ou menos), j√° tinhamos sinal 3G.

A viagem toda n√£o nos afastamos muito da costa. Sempre ficamos entre 6 e 10 MN.

Agora est√°vamos a 8 MN. Previs√£o de mais 3 horas de viagem at√© o Rio‚Ķ e um total de 13 ou 15 horas at√© B√ļzios. Estava t√£o cansada! E tinha a quest√£o do moral‚Ķ At√© que o tripulante amigo nos sugeriu que par√°ssemos no Rio, mesmo. Com a quest√£o da avaria, seria mais prudente. Al√©m de que seria mais f√°cil encontrar m√£o de obra e servi√ßos especializados aqui no Rio mesmo, do que em B√ļzios. Decididos, seguimos adiante‚Ķ na mesma dire√ß√£o, mas aterrando para entrar na baia de Guanabara, onde fica o iate club.

De frente para a Barra (ou já seria Ipanema?) passamos entre duas ilhas. Hj, ainda acho que foi uma decisão ousada (desculpe, amor… opa, comandante!). Contornar a ilha mais a leste, por fora, me parecia mais sensato, uma vez que nossa visibilidade estava reduzidíssima. Em um outro momento, havíamos quase chocado com uma embarcação pesqueira (sem radar ou identificação), que graças a Deus nos avistou. Pois quando conseguimos avistá-los, Ric me mandou ajudá-lo, emprestando-lhe meus olhos e minha visão). Coloquei a cabeça para fora do cockpit e gritei: Bombordo! Ele virou o timão para a esquerda, desviando um pouco mais da embarcação, que parecia já ter nos notado e também estava a fazer sua manobra. Foi perto e por pouco. Por isso é que começamos a ser agradecidos pelos raios que surgiam. Eles iluminavam a noite e nos ajudavam com a pouca visibilidade.

Passando entre as ilhas, como contava, fomos surpreendidos e nos assombramos com o tamanho da ilha que estava a nosso boreste. Imaginamos que, como naveg√°vamos apenas por instrumentos – uma vez que nossa visibilidade era quase zero – se houvesse algum erro por mais simples que fosse, na carta de navega√ß√£o, seria nosso fim! Gra√ßas a Deus pelas cartas n√°uticas, suas atualiza√ß√Ķes e seus atualizadores.

Apenas 2 horas‚Ķ logo chegaremos. Confesso que foram muitos os momentos em que permaneci calma somente por ver a calma do nosso comandante. Depois de tudo passado, mod√©stia a parte, fui elogiada pelo nosso amigo tripulante e pelo meu capit√£o por ter mantido a calma. Mas, houve um momento ali, quando quase chocamos com a embarca√ß√£o pesqueira, em que passei mal. Ricardo diz que enfim eu batizei o barco! Foi uma mistura de tudo‚Ķ cansa√ßo, receios, susto, moral baixo‚Ķ debrucei para fora do cockpit e batizei o conv√©s. Foi a primeira vez que passei mal dentro de uma embarca√ß√£o‚Ķ mas n√£o me envergonho de confessar‚Ķ S√≥ eu sei o que senti naquela hora! ūüėČ

Com os frequentes raios iluminado nossa noite e navegação, a tripulação toda de salva-vidas, abrigados dentro da cabine, a porta de acesso fechada, o iate club já ciente de nossa posição e de que estávamos a caminho, e Ricardo e eu de harness, acabei me encostando no cockpit e cochilei… com a roupa molhada, mesmo… de qualquer jeito… num cantinho. De vez em quando abria os olhos e esperava um raio me mostrar como estavam as ondas… outras vezes buscava o olhar do Ric que permanecia firme, decidido a levar o AmarSemFim até seu destino Рque obviamente mudara.

Quanto mais perto da entrada da baia, mais o tempo ia melhorando. De longe, v√≠amos as lindas praias iluminadas (as 4:00, 5:00am), v√≠amos o Cristo aceso e o P√£o de A√ß√ļcar‚Ķ e nos aproxim√°vamos.

Agora era apenas um chuvisco‚Ķ j√° n√£o v√≠amos mais os raios‚Ķ tampouco ouv√≠amos os trov√Ķes‚Ķ

Algumas vezes pensei que j√° era hora de parar com “essa loucura”!

Vivendo em terra, jamais havia pensado que era hora de parar com “aquela loucura”!

Hoje, passado o momento… quero mais é continuar…

Entramos na baia de Guanabara e ent√£o tudo parou!

O mar se transformou em uma lagoa.

O céu dava sinais do amanhecer que apontava em pequenas e poucas aberturas azuis entre as nuvens.

O Cristo permanecia aceso… e assim ficaria por mais alguns minutos

Parar no iate club, depois da tormenta e do cansa√ßo todo‚Ķ poder olhar para os lados e ver o Cristo de bra√ßos abertos, o dia amanhecendo e o P√£o de A√ß√ļcar do outro lado‚Ķ deu-me uma sensa√ß√£o de abrigo, de seguran√ßa que s√≥ a Sua gra√ßa pode dar. Foi Ele quem nos dirigiu at√© aqui‚Ķat√© aqui nos guiou o Senhor‚Ķ e √© dEle, por Ele e pra Ele que seguimos dizendo: Eis-me aqui, envia-me a mim!

/)/) AmarSemFim /)/)


Deixe um coment√°rio

De novembro/14 √† janeiro/15 (resum√£o)

Cansei de esperar… Pronto, falei!!! rsrsrs

Desculpem-me os leitores e os que nos acompanham‚Ķ¬†Venho esperando¬†um post sobre a perna de Itaja√≠ (SC) a Canan√©ia (SP), mas todo o resto ficava pendente‚Ķ esperando… Ent√£o, lan√ßo¬†a sugest√£o¬†aos tripulantes daquela perna: se desejarem¬†criar¬†um post sobre como foi a viagem pra voc√™s, fa√ßam-no e enviem o a mim, para que o poste aqui e o compartilhe com os demais leitores… Todos e qualquer um dos tripulantes daquela pena pode contribuis (por favor – hehehe)

Sigo, então com as postagens sobre o fim de ano, sobre o começo do ano e sobre nossa chegada e estada no Rio de Janeiro.

Os meses de novembro, dezembro e janeiro, passamos no litoral norte de São Paulo e sul do Rio de Janeiro. Muitos dias passamos em Ilhabela… outros tantos passamos em Angra… e mais alguns em Paraty e Ubatuba.

O fim do mês de novembro e começo de dezembro, passamos em Angra, com alguns amigos que nos cederam seu píer. Mas para chegar até lá, paramos em Paraty. Uma perna feita de noite com tripulantes que embarcaram em Ilhabela em busca de uma aventura de 10 horas (mais ou menos Рaté Paraty) a bordo do AmarSemFim (desfrutando da comida de um amigo velejador especialista em culinária a bordo). Depois da estada em Paraty, passeamos pela baia de de Angra e de Ilha Grande. Nossos amigos nos levaram a conhecer várias praias e ilhas, e fizemos passeios incríveis, como o de seguir uma trilha até uma cachoeira… deliciosa! Lá, pudemos também conhecer um pouco da cidade e visitar 2 igrejas. Uma delas nos acolheu muito bem e voltamos outras duas ou três vezes. Somos muito gratos aos amigos queridos que nos hospedaram tão bem, e que se dispuseram a levar-nos a lugares tão lindos durante nossa estada na região. Aproveitamos muito. E somos também muito gratos  Deus pela oportunidade que tivemos de conhecer a Igreja Batista Monte Gerizim (em Angra), e pela a acolhida dos irmãos de lá Рrecebam também nosso carinho e gratidão.

No começo de dezembro, celebramos nosso aniversário de casamento. Escolhi passar em Paraty. Foi muito bom. Sabíamos que em seguida, alguns amigos nossos lá do interior, viajariam pra Ilhabela e decidimos que seria bom, já que saíamos de Angra, já voltar pra Ilhabela, parando em Paraty para passar nossas bodas. Paraty é apaixonante e um dos lugares mais charmosos que já conheci.

Voltamos pra Ilhabela e passamos dias lindos na companhia de amigos queridos. Passeamos e fizemos com eles, uma perninha at√© a Ilha do Tamandu√°. L√°, dormimos uma noite‚Ķ Bom, ‚Äúdormir‚ÄĚ √© modo de dizer. Estou segura de que todos deitaram na cama, mas certamente ningu√©m pregou os olhos por mais do que alguns minutos. Era muita chacoalheira‚Ķ Mas a experi√™ncia valeu (n√©?).

Pouco depois, j√° pensando em seguir caminho a Angra e, depois, Rio, seguindo nosso destino de ida ao norte‚Ķ sempre norte, resolvemos parar em Ubatuba pra ver mais alguns amigos – os quais n√£o v√≠amos h√° anos e que al√©m de amigos queridos, s√£o irm√£os na f√©, e foram padrinhos do nosso casamento! Que delicia e que privil√©gio passar este tempo com vcs. Obrigada, tamb√©m, pela visita ao AmarSemFim! ūüôā

Ufa‚Ķ de volta as Ilhabela pra acertar alguns detalhes e nos prepararmos pra sair‚Ķ quando a sa√ļde do meu pai nos chamou a aten√ß√£o e atraiu a visita de todos os filhos. N√£o podia ser diferente por aqui. Sa√≠ de Ilhabela, aproveitando que est√°vamos ‚Äúpertinho‚ÄĚ de SP, e subi. Fiquei uns dias l√°, matei a saudades mais um pouquinho e voltei pra Ilha, me assegurando de que estavam todos bem. Bom, agora vamos, certo? N√£o!

Meu cunhado, sua esposa e as filhas passariam uns 20 dias na Ilha‚Ķ n√£o pod√≠amos perder a oportunidade de velejar com eles, de passar tempo com eles, e de ver a intera√ß√£o das crian√ßas com as primas. Foi um tempo muito gostoso e cheio de aventuras n√°uticas. Foi interessante tamb√©m por outro detalhe. Como fic√°vamos ancorados no Perequ√™ e meu cunhado ia sempre a Arma√ß√£o, t√≠nhamos que fazer este trecho quase todos os dias. N√£o digo isso como uma obriga√ß√£o, mas o fato de termos que fazer isso nos ensinou¬† muito. Houve um dia que o vento estava t√£o bom que conseguimos sair e voltar, ancorando e tudo, apenas com as velas‚Ķ sem ligar o motor uma √ļnica vez! N√£o, sei‚Ķ os velejadores ‚Äúmacacos velhos‚ÄĚ que me perdoem, mas pra n√≥s foi uma grande conquista. Est√°vamos mais entrosados. Com a gente mesmo, um com o outro e com o barco e as velas‚Ķ foi muito legal.

Passamos tanto o Natal como a virada do ano na Armação… em família. Só nos 4! Nosso Natal foi encantador, simples, singelo… como deveria ser… como foi a mais de 2000 anos atrás! E nosso réveillon nos trouxe a oportunidade de estabelecer planos e metas, diante de Deus e de Sua palavra, para o ano de 2015. Seguindo uma tradição da minha casa, escolhemos versículos que nos seguirão por todos os dias deste ano… buscando sempre um caráter mais próximo ao de Cristo.

Passando meu aniversário no começo do ano, um pouco depois, Ric precisou subir até Sorocaba para ver seu olho (que tem a córnea transplantada). Foi uma aventura a sua subida e descida, mas deu tudo certo. Está tudo perfeito com seus olhos!

Prontos para sair!?! Uffffa… Mas ainda não!!!!

Descobrimos que precis√°vamos resolver algumas pend√™ncias burocr√°ticas e m√©dicas. Voltamos para mais uns dias em Vinhedo (e uma tarde em SP). Resolvemos as quest√Ķes burocr√°ticas e m√©dicas por l√°‚Ķ e descemos j√° planejando, finalmente, a pr√≥xima viagem.

Agora sim‚Ķ zarpamos!!! Mas sem antes voltar a ver mais queridos amigos que passaram alguns dias na Ilha e com os quais passamos algumas horinhas‚Ķ muito gostosas e em muito boa companhia. A amizade de voc√™s e o amor de Cristo que nos une, nos comove e constrange! Enfim, sa√≠mos da Ilha no dia 30/02/2015 as 7:45 da manh√£. Na companhia de um novo tripulante. Alguns dias antes de zarparmos, tivemos a alegria de conhecer uma pessoa que nos acompanharia durante nossa viagem at√© B√ļzios‚Ķ mal sab√≠amos ainda, o que nos reservava nosso Deus Pai‚Ķ e que a viagem teria de ser mais curta‚Ķ mas muito mais proveitosa e cheia de surpresas (que s√£o nada mais do que presentes de Deus em nossas vidas)‚Ķ

Logo mais no pr√≥ximo post: ‚ÄúB√ļzios!!! (Ou Rio?)‚ÄĚ

/)/) #AmarSemFim

 


Deixe um coment√°rio

Balsa Salva-Vidas

Um dia, um Fabricante de barcos resolveu construir uma grande nave. Seria um barco magn√≠fico, com todas as melhores tecnologias. Seria autossustent√°vel, e poderia ter uma enorme tripula√ß√£o. A tecnologia seria de tal maneira utilizada, que, na verdade, a tripula√ß√£o n√£o teria que fazer quase nada, e as viagens seriam pura curti√ß√£o. A constru√ß√£o seria robusta e segura, tornando o barco indestrut√≠vel, desde que fossem seguidas as instru√ß√Ķes do Fabricante.

Depois de um determinado tempo, a embarca√ß√£o ficou pronta, e o Fabricante escolheu o skipper, e mostrou todas as maravilhas a bordo. Demonstrou o funcionamento de cada ¬†sistema e certificou-se de que as instru√ß√Ķes eram entendidas pelo skipper. Maravilhado com todos os sistemas a bordo, o novo comandante formou uma tripula√ß√£o mista, onde havia de tudo. N√£o era necess√°rio ter experi√™ncia em navega√ß√£o, j√° que a viagem seria tranquila, e curtir os lugares e paisagens seria a principal atividade a bordo. A tripula√ß√£o era numerosa, mas todos tinham seus aposentos e lugares para descansar, comer, brincar, olhar o mar, enfim, viver !!!

O Fabricante estava feliz, pois tinha arranjado uma √≥tima tripula√ß√£o e tinha absoluta confian√ßa no barco que havia constru√≠do. Entretanto, alertou ao skipper que n√£o usasse a nave para navegar pelo Tri√Ęngulo das Bermudas, pois, apesar de toda tecnologia a bordo, tinha receio quanto aos recentes incidentes ocorridos na regi√£o. O skipper ouviu a restri√ß√£o, mas logo pensou que era um exagero.

E soltaram as amarras. A m√°quina era maravilhosa, funcionava perfeitamente. Os sistemas de √°gua e esgoto eram absolutamente eficientes, e a tripula√ß√£o simplesmente vivia a vida. Visitavam lugares maravilhosos, viam animais enormes e variados. Tinham comida a bordo de primeira qualidade, ar condicionado em todos os ambientes, √°gua em abund√Ęncia, frutas de todos os tipos. A tripula√ß√£o tamb√©m era incr√≠vel. Todos se ajudavam, uns ensinavam sobre as maravilhas que presenciavam, outros cuidavam das m√°quinas, e viviam uma grande festa a bordo. Cada refei√ß√£o era partilhada, todos comiam juntos e sempre eram ouvidos risos e hist√≥rias do mar. At√© aquele momento, n√£o haviam enfrentado nenhuma tempestade.

Depois de algum tempo, com tudo transcorrendo muito bem a bordo, a nave iniciou uma viagem pr√≥xima ao Tri√Ęngulo das Bermudas. At√© aquele momento a comunica√ß√£o com o Fabricante do barco era total. As comunica√ß√Ķes a bordo atendiam em tempo real, e o Fabricante era presen√ßa marcante a bordo. Podiam conversar com Ele a qualquer momento pelos comunicadores. E todos os tripulantes adoravam ouvir as hist√≥rias do Fabricante. Eram hist√≥rias incr√≠veis, de mares e barcos, coisas que todos adoravam a bordo.

Ent√£o o skipper resolveu deixar de lado as instru√ß√Ķes do Fabricante, e adentrou o Tri√Ęngulo das Bermudas. Afinal, depois de todo o tempo a bordo, nada de errado havia com a nave, e ele achava um exagero que as lendas sobre a regi√£o fossem afetar algo no barco. Algum tempo depois, o Fabricante chamou o comandante pelo r√°dio, e perguntou onde estavam. O skipper passou as coordenadas e o Fabricante concluiu que eles estavam no Tri√Ęngulo.

Mal acabou de informar sua posi√ß√£o, e ouviu um grande estrondo a bordo. Todos estranharam, pois nunca haviam ouvido nada parecido. O barco havia colidido com um container que boiava, provavelmente desembarcado de algum navio que cruzava a regi√£o. Os alarmes a bordo come√ßaram a soar, e na sala de comando observou-se que o barco fazia √°gua. E a √°gua salgada j√° havia invadido a cozinha e os tanques de √°gua doce. Depois de muito trabalho, alguns membros da tripula√ß√£o conseguiram estancar o vazamento de agua, e colocaram bombas para esgotar a agua que havia embarcado. O saldo foi a perda de muita comida e √°gua doce, que ficaram imprest√°veis. Alguns membros da tripula√ß√£o come√ßaram a discutir entre si, pois a atitude do comandante era inadmiss√≠vel. Todos sabiam que era uma instru√ß√£o do Fabricante n√£o entrar no Tri√Ęngulo. Mas quem reclamou sabia que iriam tomar aquele rumo, e a discuss√£o sobre o tema parou por ali. Bem, de qualquer maneira ningu√©m havia morrido, e ainda tinham alguma comida e √°gua.

Tentaram contato com o Fabricante, para informar a avaria, mas as comunica√ß√Ķes na regi√£o eram p√©ssimas e n√£o conseguiram. Ocorreu ent√£o uma tempestade que nunca tinham visto. O barco balan√ßava, subia e descia ondas. O vento uivava, e o conv√©s era varrido pelas ondas. Todos a bordo estavam com muito medo. O barco come√ßou a fazer √°gua de novo, pois o remendo que fizeram n√£o aguentou a tempestade, e come√ßou a vazar. Agora tinham que tirar a agua com baldes, pois as bombas falhavam. A energia a bordo come√ßou a ficar fraca, pois as baterias entraram em curto circuito e descarregaram totalmente. O skipper n√£o sabia mais como agir, e um motim a bordo se formou. Agora os tripulantes ficaram divididos em grupos distintos, que trocavam insultos e partiam para viol√™ncia f√≠sica. A comida e a √°gua passaram a ser racionadas e tudo j√° estava meio estragado. Todos sabiam que o naufr√°gio era quest√£o de tempo e ningu√©m tinha solu√ß√£o para os problemas a bordo. O skipper tentava contato com o Fabricante, sem sucesso. E navegava para fora do Tri√Ęngulo, embora v√°rias tormentas e ventos contr√°rios o empurrassem cada vez mais para o inferno.

Então, quando não mais viam solução para os problemas a bordo e apenas aguardavam a morte, se depararam com uma caixa de plástico, coberta com uma lona azul marinho, e um cabo de segurança. Era a Balsa Salva Vidas, equipamento de salvamento e sobrevivência que os grandes barcos de cruzeiro devem ter a bordo. A Balsa estava intacta, a despeito das intempéries a bordo, que quebraram tudo. A bordo do barco não havia mais comida, nem um mísero pedaço de pão, nem água, e a escuridão era completa, somente quebrada pelos raios das tempestades. Não havia energia e a água do mar invadia o casco em vários lugares.

Vendo que a Balsa era a √ļnica salva√ß√£o da tripula√ß√£o, o skipper declarou o barco como irrecuper√°vel, e determinou que todos entrassem na Balsa. Logicamente que todos os tripulantes estavam desconfiados, pois estavam naquelas condi√ß√Ķes justamente por a√ß√Ķes do skipper. Alguns concordaram, mas muitos decidiram permanecer a bordo, ainda que no escuro, sem comida e sem √°gua. Aqueles que se acomodaram na Balsa, perceberam que o Fabricante havia providenciado agua, comida, lanternas e r√°dio comunicador, al√©m de instru√ß√Ķes seguras de como sair do Tri√Ęngulo. E come√ßaram a mostrar as novas condi√ß√Ķes aos que resolveram ficar no barco.

Depois de algum tempo, o barco finalmente naufragou, e v√°rios tripulantes morreram. Os que resolveram entrar na Balsa, passaram por v√°rias tempestades e tormentas, mas a comida, a √°gua e principalmente as instru√ß√Ķes do Fabricante, os levaram a sair do Tri√Ęngulo, e encontraram praias tranquilas, comida, √°gua e luz.

Mais do que tudo, encontraram o próprio Fabricante, e este prometeu construir um novo Barco, que desta vez seria conduzido por Ele mesmo, e todos se lembraram de como era a boa vida a bordo.

 

—————————————————–

Ontem levei a balsa salva vidas do veleiro AmarSemFim para reparar. Visitei um lugar onde vendem, reformam e constroem esses equipamentos de segurança. Dentro dessas balsas há ração humana, água, equipamentos de pesca, primeiros socorros, remédios, sinalizadores, facas, remos, e um EPIRB, que informa a localização da balsa.

A balsa do veleiro AmarSemFim precisa ser periodicamente revisada, pois a comida, bebida e tudo que há nela perde a validade e torna-se impróprio para o consumo.

A Balsa do AmarSemFim é definitiva. Nunca perde a validade, nunca se torna imprópria.

O veleiro AmarSemFim pode naufragar. √Č uma obra humana. Pode colidir com uma pedra e ir ao fundo. A balsa salva vidas serve para justamente socorr√™-lo em uma situa√ß√£o de emerg√™ncia.

A nave Terra est√° condenada. N√£o h√° √°gua, n√£o h√° comida, n√£o h√° esperan√ßa. A energia vai se esgotando rapidamente. Na Balsa h√° tudo. N√£o ser√° f√°cil abandonar o barco. N√£o ser√° f√°cil entrar na Balsa. Mas n√£o h√° alternativa. A Balsa √© a √ļnica salva√ß√£o.


2 Coment√°rios

“F√ČRIAS” – Outubro 2014 com a fam√≠lia, em terra!

Depois dos dias lindos e em muito boa companhia que passamos em Itaja√≠ (SC), rapidamente, depois de muito pensar (e pouco agir, infelizmente) conseguimos organizar uma estada em terra, com a fam√≠lia. Em breve, seria anivers√°rio da minha sogra, e esta foi uma das principais raz√Ķes que nos levou a fazer a loucura de alugar um carro e viajar de Itaja√≠ a Valinhos (passando por Registro, onde mora meu irm√£o). Loucura, porque na atual situa√ß√£o, arcar com o aluguel do carro, gasolina etc, fugia um pouco (ou melhor, bastante) do nosso or√ßamento. Mas, al√©m de uma destas principais raz√Ķes, havia outras. Eu fui tia 2 vezes este ano. Perdi o nascimento da filha (Duda) da minha irm√£, em junho, e da filha (Manu) do meu irm√£o, em agosto‚Ķ e est√°vamos h√° cerca de quase 2 anos longe de ‚Äúcasa‚ÄĚ.¬†

A palavra ‚Äúcasa‚ÄĚ tem um significado diferente pra n√≥s, hoje. Temos nossa ‚Äúcasa-barco‚ÄĚ que faz o papel da nossa casa ‚Äúfixa‚ÄĚ (fixa, no sentido de que √© sempre ali que estamos, mas ela, na verdade, √© m√≥vel, duh!!!); temos nossa ‚Äúcasa‚ÄĚ, que √© nossa ‚Äúfam√≠lia‚ÄĚ e a comunh√£o que desfrutamos quando nos reunimos; temos nossa ‚Äúcasa‚ÄĚ (‚Äúigreja‚ÄĚ) onde sentimos a mais agrad√°vel e perfeita comunh√£o debaixo da presen√ßa quase paup√°vel do nosso Criador, Redentor e Senhor Jesus; e por fim, temos a ‚Äúcasa-eterna‚ÄĚ, da qual em breve faremos parte, porque, convenhamos, nossa estada ‚Äúaqui‚ÄĚ n√£o √© nada sen√£o ‚Äútempor√°ria‚ÄĚ, n√£o √© mesmo?

Enfim, calculando pre√ßos, gastos, investimentos, e tudo o mais, percebemos que deixar a nossa mascotinha, Jolie, em uma hotelzinho para c√£es seria, al√©m de cruel (1 m√™s longe), tamb√©m extremamente caro‚Ķ se junto com isso ainda pag√°ssemos as passagens de √īnibus para n√≥s quatro, chegar√≠amos ao valor do aluguel do carro‚Ķ que por sua vez, nos permitiria viajar com a Jolie e com mais conforto. Nos permitiria parar em Registro para visitar meu irm√£o e ver sua fam√≠lia que crescera h√° pouco‚Ķ Foi o melhor que pudemos fazer para desfrutar um pouco de cada ladinho das fam√≠lias e matar um pouquinho da saudade que h√° tempo nos matava. MAS, a correria para a partida, infelizmente, n√£o nos permitiu arrumar a ‚Äúcasa‚ÄĚ antes de sairmos, e quando o Ric finalmente voltou a Itaja√≠ depois deste 1 m√™s fora, a cabine era um caos! Deixemos isso para mais para frente‚Ķ ou podemos at√© nem falar disso‚Ķ (acho que vou por este caminho, mesmo – rsrs). A quest√£o √© que Ric e n√≥s sair√≠amos por 1 m√™s em terra e depois apenas ele, Ric, voltaria a Itaja√≠ com um de seus irm√£os, irm√£os na f√© e amigos para uma experi√™ncia de vela que os levaria de Itaja√≠ a Ilhabela (nosso ‚Äúporto‚ÄĚ ou ‚Äúsede‚ÄĚ) – com uma parada (meio que necess√°ria) na Ilha do Bom Abrigo‚Ķ que fica para um pr√≥ximo post – com a autoria do Ric.

Sa√≠mos em dire√ß√£o a Registro – SP no comecinho do m√™s de outubro, de carro. A viagem foi muito boa e tranquila, pelo que somos imensamente gratos a Deus. Com eles, pudemos passar uns 3 dias‚Ķ curtindo a companhia do meu irm√£o e da minha cunhada, da pequena Ana Sofia e da rec√©m-chegada, Manuela. Foi um tempo muito bom. Diria maravilhoso, para ser realmente sincera. Estava no ambiente onde a fam√≠lia do meu irm√£o est√° em casa e mais a vontade‚Ķ √© o ‚Äúcanto”¬† deles‚Ķ e poder compartilhar disto foi lindo e me fez muito bem, e com certeza √†s crian√ßas tamb√©m. Mas digo mais isso por causa das conversas, da uni√£o, dos desabafos, das confiss√Ķes, das l√°grimas (estes detalhes ficam apenas nas nossas mentes, cunhada! √Č privil√©gio nosso poder ter compartilhado momentos t√£o importantes juntas – te amo, irm√£zinha!), das ora√ß√Ķes, e pela gratid√£o de ver, ali, Deus t√£o presente. Que fam√≠lia aben√ßoada e linda eles formam debaixo da gra√ßa de Jesus. Obrigada, meu Deus, por dar a cada um ali a oportunidade de Te conhecer e desfrutar da Tua presen√ßa, Teu amor e Tua gra√ßa.
(continuação depois das fotos)


Logo, sa√≠mos em dire√ß√£o √† Valinhos. Era a vez de ver os aniversariantes do m√™s e sua fam√≠lia (meu cunhado tamb√©m aniversaria no mesmo dia que minha sogra)!!! Chegamos bem em Vinhedo, e em seguida Ric j√° foi devolver o carro em Valinhos. Em Vinhedo, ficamos muito bem hospedados na casa da minha sogra‚Ķ por mais de 15 dias, pelo que tamb√©m somos muit√≠ssimos gratos. Que gostoso foi poder passar este tempo com eles. Claro que, sendo Vinhedo a nossa √ļltima moradia, t√≠nhamos tamb√©m v√°rias outras coisas a fazer e diversas outras pessoas tamb√©m para ver. (Confiss√£o: n√£o foi f√°cil para mim passar por S√£o Paulo e n√£o entrar para ver minha fam√≠lia. Al√©m disso, n√£o imagino a cabe√ßa dos meus pais, em saber que est√°vamos ali do lado, e que, por√©m, seguir√≠amos sem parar‚Ķ Mas em Cristo, tenho a certeza de que Ele supriu isso tanto no meu cora√ß√£o quanto no cora√ß√£o deles.) Em Vinhedo tivemos a oportunidade de celebrar a fam√≠lia, rever grandes amigos que fazem parte de n√≥s e de quem somos hoje. Sou grata a Deus por cada momento vivido em Vinhedo antes de nos mudarmos dali, e pelos que vivemos durante estes 15 dias. Al√©m disso, Deus me permitiu conhecer o PG (pequeno grupo de comunh√£o) dos adolescentes (do qual Juca participou), o PG da noite de sexta-feira, do qual participam pessoas amadas como nosso cunhado e cunhada, e outros casais com os quais nos relacion√°vamos antes‚Ķ L√° pudemos rever irm√£os amados e queridos e conhecer pessoas dos mais variados estilos. Ainda, pude frequentar por 3 sextas-feiras seguidas, o PG da Dani. Este PG √© s√≥ das meninas – parece o club da Luluzinha. Nele, pude aprender mais da Palavra e tive a oportunidade de me alegrar e chorar tamb√©m com a hist√≥ria da cada uma‚Ķ Sou imensamente grata, ainda, pelo especial encontro que tivemos, j√° na segunda metade de Outubro – que me fez voltar de SP s√≥ para poder dedicar ao Senhor alguns preciosos minutos da minha vida (que √© dEle), compartilhando com este mesmo PG a hist√≥ria que Deus tem escrito em nossas vidas, enquanto vivemos no AmarSemFim. Como foi especial! Ainda em Vinhedo, pudemos participar do curso ‚ÄúAs seis met√°foras de um casamento feliz‚ÄĚ, ministrado pelo Pastor Charles McCord (que conhecemos h√° anos, fez meu batismo ainda quando crian√ßa e nosso casamento). Como foi edificante!

Da nossa estada em Vinhedo, muitas coisas levamos no cora√ß√£o al√©m do que j√° comentei: os caf√©s, almo√ßos, lanches e bate-papos com amigos, rec√©m conhecidos, irm√£os e fam√≠lia; lamentamos apenas a oportunidade que nos faltou de poder compartilhar da gra√ßa e amor de Deus com o corpo de Cristo do qual somos parte e que se reune aos domingos. Mas Deus tinha algo mais pra n√≥s‚Ķ um pouco mais adiante no calend√°rio que nos ocupou e que Ele usou para preencher, de certa forma, esta lacuna. Tamb√©m somos gratos pelas oportunidades que Deus nos deu de trabalhar os relacionamentos das crian√ßas tamb√©m. Sei que para o Juca, a sa√≠da de Vinhedo foi dolorida e mais dif√≠cil (assim como foi pra mim!). Sei, tamb√©m, quantas vezes nos abra√ßamos chorando a falta que nossos amigos faziam (e fazem!). Ouvir meu filho dizer pra mim (depois de encontrar com seus amigos mais chegados, depois de quase 2 anos): ‚ÄúM√£e, foi como se eu nem tivesse ido embora!!!” encheu meu cora√ß√£o de paz e alegria. Deus no controle, sempre‚Ķ agindo, cuidando e trabalhando‚Ķ sem nem mesmo nos darmos conta.

Deixamos Vinhedo cheios de gratidão… a Deus pela Sua graça e pelo trabalho que nos permitiu fazer para a Sua honra e glória; e a família, que nos hospedou, nos emprestou carro, nos ajudou em tudo que precisamos durante nossa estada lá. E aos amigos e irmão (antigos e novos) que nos acolheram com tanto carinho, amor e compreensão. Mas já era hora de partir. Mais para frente no calendário descobriríamos que veríamos ainda outras vezes casais de amigos e irmãos, e que podemos voltar a ver a família ainda outras vezes, querendo Deus e permitindo Ele que possamos compartilhar do Seu amor assim o fazendo.
(continuação depois das fotos)

Chegamos a SP. Aquela SP que me d√° n√°useas s√≥ de imaginar seu tr√Ęnsito; que nos mata de estresse‚Ķ essa SP que tamb√©m tem sido a cidade dos meus pais h√° anos, e dos meus outros irm√£os tamb√©m. Fomos muito bem acolhidos e recebidos pelos meus pais, pudemos passar tempo com eles e tivemos o privil√©gio de conhecer e visitar igrejas em sua companhia. Uma delas foi a Calvary (antiga Metropolitan Church de SP), onde participamos de um maravilhoso encontro de miss√Ķes, uma escola dominical incompar√°vel, e de um culto de celebra√ß√£o da ceia do Senhor. Foi muito gostoso poder estar novamente em uma igreja ‚Äúamericana‚ÄĚ! Nos deu saudades do tempo que passamos em Orlando com amigos queridos da First Baptist Orlando (igreja de l√°). As crian√ßas tamb√©m amaram! Ainda em SP, visitamos a Igreja Batista Memorial Alphaville (do Sidney Costa‚Ķ e onde tamb√©m pastoreia os Pastores Charles McCord e Fernando Barcelos), e l√°, tivemos a especial e maravilhosa oportunidade de compartilhar do que o Senhor tem feito em nossas vidas a bordo do AmarSemFim durante o “Sunday Service” (culto em ingl√™s, ministrado aos domingos a tarde) e durante o culto da noite. Pudemos, em um dos domingos que ali congregamos, ter uma conversa muito edificante com o Sidney, e passar mais tempo junto da fam√≠lia McCord em um almo√ßo de domingo. Foram momentos muito especiais nos quais pudemos sentir o mover do Espirito Santo, pudemos derramar nossas vidas diante do Senhor mais uma vez, e receber as ben√ß√£os que Ele tinha e tem pra n√≥s. O mesmo sentimos na igreja Minist√©rio Alfa e Omega (dos pastores Haroldo Maranh√£o e F√ļlvia). Ali√°s, diga-se de passagem, o que sentimos ali foi incompar√°vel. Ric p√īde compartilhar muitas b√™n√ß√£os, e a ora√ß√£o final pareceu nos levar ainda para mais perto do Senhor. Somos t√£o gratos a Deus pelas oportunidades de compartilharmos nossa vida e tamb√©m aprender tantas coisas!!! Mas j√° estava chegando ao fim‚Ķ estava, em breve, chegando a hora de ir embora.

No comecinho de novembro, Ric e sua tripulação se preparavam para a saída de Itajaí (à Ilhabela). Logo me despedi dele (que seguiu junto com seu irmão a Itajaí), para que pudesse seguir viagem e trazer nossa casa… para nossa sede (o AmarSemFim para Ilhabela). Fiquei com as crianças ainda mais uns dias, com meus pais e meu irmão. Mas depois… despedida!!! Muitas fotos, muitas lágrimas, mais ainda beijos e abraços apertados. Ciao queridos; até breve!

O próximo post vem do Ric, sobre a saga de Itajaí РIlhabela! E em seguida, o mês de novembro em Angra e Dezembro na Ilha. Espero que tenham desfrutado da leitura! :))

#AmarSemFim |)|)


Deixe um coment√°rio

Itaja√≠ – final de setembro e comecinho de outubro 2014

Que medo de esquecer tudo o que aconteceu nos √ļltimos meses, pelo simples fato de n√£o ter conseguido bom uso da internet e n√£o ter podido postar quase nada sobre nossa chagada e estada em Itaja√≠ (t√£o esperada), nosso tempo em terra e nosso retorno ao AmarSemFim.

Então decidi que vou escrevendo mesmo, conforme vem a inspiração (e o medo de esquecer, pular alguma coisa, ou deixar algo passar) e assim que conseguir rede, vou postando aos poucos.

Chegar em Itajaí muito bom. Já vínhamos mal acostumados, na verdade, pois tanto em Rio Grande como em Florianópolis sempre houve alguém que nos recebesse com muito amor e carinho, algum irmão, alguma amigo, que nos visitasse, que passasse tempo conosco; enfim, Itajaí não podia ser diferente.

Fazia quase 1 ano que n√£o v√≠amos nossos queridos amigos, os Copello. Uma amizade muito curiosa, por sinal, e sem d√ļvida dirigida e cultivada pelo amor que compartilhamos em Cristo. Conhecemos os Copello quando j√° est√°vamos em Florian√≥polis com o Cruzeiro Costa Sul (CCS – da ABVC em mar√ßo de 2013). De acordo com o cronograma do Cruzeiro, ter√≠amos uma parada em Itaja√≠ com os veleiros, e uma recep√ß√£o bem legal e organizada, onde conhecer√≠amos o projeto ANI (Associa√ß√£o Nautica Itaja√≠) e o trabalho que vinham fazendo com as crian√ßas e a vela! Mas, esta parada n√£o aconteceu por motivos clim√°ticos (pelo que pude entender). Florian√≥polis, at√© ent√£o, at√© aquele momento, era onde est√°vamos, era nosso destino final. Ficar√≠amos uns meses por l√°, talvez, e voltar√≠amos em Julho (2013) para Ilhabela – cidade que consideramos nossa cede. Mal sab√≠amos que Deus j√° vinha preparando trincos e ma√ßanetas de portas que seriam abertas em breve, para nossa ida e estada na Argentina.

Enfim, por n√£o termos conseguido parar com os veleiros em Itaja√≠, e por termos ido direto a Florian√≥polis, acabamos por fazer uma visita de √īnibus a Itaja√≠. L√°, tivemos a oportunidade de conhecer o projeto ANI e ver todo o trabalho que tem feito na cidade e com os “pequenos cidad√£os” (para conhecer melhor o projeto ANI, clique aqui!). O projeto era na √©poca dirigido pelo Claudio Copello (e segue sendo at√© hoje, mas agora com a presen√ßa essencial da Monica – esposa), pessoa muito querida, que pudemos conhecer brevemente em um almo√ßo onde juntamos a equipe da ANI e os velejadores do CCS. Entre a visita a ANI e suas instala√ß√Ķes, o v√≠deo apresentado sobre o projeto e o almo√ßo, pudemos tamb√©m conhecer os demais membros da fam√≠lia Copello – t√£o envolvidos com a ANI quanto o Claudio, uma vez que a fam√≠lia toda abra√ßou o projeto com tanto amor. Foram breves os minutos que tivemos par conhecer Monica, Carol e Pep√™, mas houve uma identifica√ß√£o imediata. Foi muito bom poder conversar com a Monica e ver que t√≠nhamos (e seguimos tendo) coisas t√£o em comum, sonhos semelhantes, e uma fam√≠lia estruturada – que compartilha da nossa busca e vontade de Amar (Jo√£o 15:12 e 13 – “O meu mandamento √© este: Que vos ameis uns aos outros, assim como EU vos amei. Ningu√©m tem maior amor do que este: de dar algu√©m a sua vida pelos seus amigos”). Infelizmente, no entanto, foi breve‚Ķ e passou‚Ķ acabou. Uns dias mais para frente, recebemos a visita carinhosa do Claudio e da Monica l√° em Florian√≥polis, quando, mesmo sendo dia de faxina e de lavar roupa, os convidamos para conhecer o barco!

Em dezembro do mesmo ano, quando j√° est√°vamos bem instalados na Argentina havia uns 8 meses, ficamos sabendo que havia sido planejado um programa de interc√Ęmbio n√°utico, do qual participariam adolescente de 12 a 16 anos, do Brasil, da Argentina e do Uruguai. O grupo brasileiro que participaria do programa era, justamente, o grupo da ANI. Neste programa de interc√Ęmbio, a ideia era que os adolescentes ficassem hospedados nas casas dos participantes argentinos, para que pudesse tamb√©m haver uma intera√ß√£o cultural. Mas e quanto aos organizadores? Ah, estes, tivemos n√≥s o privil√©gio de hospedar. Dessa forma, meio sem saber muita coisa sobre como era o programa e qual seria nossa fun√ß√£o ao hospeda-los, Ricardo decidiu comunicar ao grupo argentino – que intermediava os contatos – que nosso veleiro estaria a disposi√ß√£o do casal Copello – os organizadores – durante o tempo que durasse o programa. Mas a sensa√ß√£o de como tudo aconteceria ainda era uma inc√≥gnita para n√≥s – e para eles tamb√©m.

Chegou dezembro (2013) e j√° v√≠nhamos nos preparando para hosped√°-los. Quer√≠amos receb√™-los com o maior carinho poss√≠vel e fazer com que se sentissem bem a vontade e em casa. E acho que conseguimos. Passamos dias maravilhosos com eles, acompanhando-os onde desejavam ir, acompanhando as premia√ß√Ķes das regatas dos adolescentes, e dando a eles todo o suporte que pud√©ssemos dar naquilo que precisassem. Para n√≥s, foi uma alegria poder servir a fam√≠lia Copello durante aqueles dias. Pudemos compartilhar mais ainda do nosso modo de vida e eles do deles, tivemos a chance de nos conhecer melhor e de nos tornar grandes amigos. As crian√ßas tamb√©m se identificaram e dali demos continuidade a uma amizade que come√ßou, bem suavemente, l√° em Itaja√≠, 8 meses antes, e que levaremos para a eternidade.

Portanto… a volta e parada em Itajaí era muito, mas realmente muito esperada e desejada. Queríamos muitos rever e reencontrar a família Copello e com eles passar dias lindos e agradáveis em Itajaí. E foi assim que Deus já tinha preparado tudo.

Chegamos, passando e entrando pela barra de Itaja√≠ – agitada, movimentada – e o fizemos com bastante cautela. Quando est√°vamos chegando com o barco onde ficar√≠amos – no p√≠er da ANI, com todos os privil√©gios que nos ofereceram – encontramos com o Dudu (Zanella – do veleiro Amazonas III). Dudu nos ajudou muito na hora de amarrar o AmarSemFim, uma vez que os ventos nos empurravam na dire√ß√£o dos outros veleiros ali amarrados. E no meio das manobras, ouvimos buzinas. Buzinas que vinham do estacionamento e de um carro que havia acabado de chegar – no qual estavam, nada mais nada menos, que a Monica, a Carol e o Pep√™!!! Ali√°s, gra√ßas a Deus pela chegada deles, porque tamb√©m nos ajudaram com o amarrar das defensas e com o puxar dos cabos, junto com o Dudu. Depois dos abra√ßos, beijos e l√°grimas de alegria ao nos reencontrarmos, e depois de algumas horinhas para arrumarmos a “bagun√ßa” da viagem (junto com o Pep√™ dentro do AmarSemFim), fomos oficialmente recebidos com muito amor no veleiro Amazonas III para um jantar preparado pela Monica, quando compartilhamos da presen√ßa dela, das crian√ßas Copello e do anfitri√£o Dudu Zanella.

Logo mais, alguns dias a frente, o Claudio chegou a Itajaí e pudemos passar por vários momentos juntos em família com os queridos amigos. Foram passeios no Amazonas III, churrascos, jantares (o das meninas da ANI foi um momento divertido e muito querido), passeios, palestras, encontros etc. Em um dado dia, Ricardo saiu com o Claudio, o querido irmão de um amado amigo do Ric (o Yuri) Рo Zé, que veio nos ver desde Floripa Рe com dois ou três outros amigos do Claudio para fizer um passeio até Porto Belo e Cachadaço. Voltaram felizes e realizados… tendo aproveitado um dia muito gostoso na presença de amigos assim tão especiais. Tudo isso aparece nas fotos que seguem logo abaixo.

Tamb√©m em Itaja√≠, tivemos o privil√©gio de conhecer a Primeira Igreja Presbiteriana de Itaja√≠. Ao conhece-la e a alguns de seus membros, em um dado momento, fomos convidados a testemunhar do que Deus tem feito em nossas vidas nestes √ļltimos 2 anos com uma casa (Pro-Vida – um lar sustentado pela igreja Presbiteriana), que abriga por volta de 35 pessoas soro-positivas e que lutam contra as drogas. Conhecemos e abra√ßamos pessoas lindas e queridas, que procuram se livrar de um mal terr√≠vel – a depend√™ncia qu√≠mica. Diariamente, o “Tio Luiz” se encontra com o grupo, e algumas vezes leva algu√©m para lhes falar. Algu√©m que tenha uma palavra de Amor, F√© e Esperan√ßa. Foi lindo poder compartilhar nossas vidas com eles, e o tempo gasto em seguida colhendo junto com eles de sua horta, aprendendo sobre os cuidados necess√°rios para se manter um galinheiro e uma granja, entre outras coisas. Neste momento livre, as crian√ßas trouxeram alegria ao espa√ßo, e n√≥s pudemos, tomando caf√©, conhecer mais da hist√≥ria de vida de algumas das pessoas que ali estavam. Pessoas batalhadoras, corajosas, e que buscam se aproximar de Deus, ou ter um encontro verdadeiro com Ele.

Outra curiosidade que aconteceu por lá foi o contato com a mídia. Mais ou menos como aconteceu em Rio Grande, acabamos sendo contatados por repórteres fotográficos, náuticos e do Diarinho, que buscavam uma história diferente, curiosa e que estivesse passando ali em Itajaí, para compartilhar com a população através da mídia televisiva, impressa e virtual. Uma das entrevistas ainda não sabemos se foi ao ar no blog do nosso amigo. Outra, acabamos ficando sem saber quando televisionou e ainda precisamos contata-los para ver se conseguimos algum link que nos leve a ver o que foi ao ar (desta, eu não participei, nem as crianças, porque ela não foi agendada e, por isso nem estávamos lá no momento em que abordaram o Ric), mas uma, impressa, e outra chamada para a noticia em vídeo, conseguimos ver como ficou e transmito também abaixo, junto com as fotos.

Ali√°s, no blog, pretendo abrir um link onde possa concentrar todas as entrevistas j√° dadas, para qualquer tipo de m√≠dia, assim ficaria mais f√°cil de procurar por elas. Mas para isso, vou precisar de internet boa!!! Ent√£o isso fica para um pouco mais para frente! ūüėČ

Itajaí, foi pra nós, um momento de agradecer a Deus pelos seus caminhos que, por mais que não entendamos ou não conheçamos, nos levam sempre a desfrutar de um plano que jamais pode ser frustrado e que seguramente é para nosso bem, e que nos mostra o quão inigualável Seu amor e graça são, nos amando de uma maneira infinitamente mais e melhor do que jamais pedimos ou pensamos.

Itajaí representou também uma volta a terra, de certa forma, porque foi dali que partimos Рtoda a tripulação, no inicio de outubro Рpara poder passar aproximadamente 1 mês em terra, visitando e revendo familiares, irmãos na fé e amigos Рque fica para o próximo post.

Link da reportagem do Diarinho ==> clique aqui!

*Amar Sem Fim – video noticia

Fotos da estada:

 


2 Coment√°rios

Florianópolis Set. 2014

Chegar em Florianópolis depois das 52 horas de viagem, passando pelo mar que passamos, pelos ventos e pela ressaca… além da entrada pelo Canal Sul da Ilha de Santa Catarina, foi como um bálsamo.

O resto do dia no qual chegamos aproveitamos para descansar mesmo. Ancoramos em Naufragados as 15:30, e demos uma breve ordem no barco. Depois de comermos alguma coisa e de um bom banho, Ric acabou dormindo direto at√© o dia seguinte. Eu ainda fiquei um pouco com as crian√ßas mas tamb√©m cedi ao sono, orientando-os a deitar assim que o filme escolhido acabasse. Ent√£o, ali mesmo j√° fizemos nossas ora√ß√Ķes e nos despedimos com “boa-noite”.

A intenção era ir para o centro de Floripa já no dia seguinte e ficar no Iate Clube de Santa Catarina, mas a vontade de ficar mais um pouco naquele lugar isolado foi maior e acabamos passando mais um dia ali. Descansando e curtindo o mar, o sol… Pegamos o bote e fomos em direção à uma família de golfinhos que estava relativamente próxima, dentro do canal, ali mesmo no Sul da Ilha. Depois, fomos com as crianças a uma prainha de uma vila de pescadores, onde eles brincaram muito e mataram a saudade do mar e das ondas.

Voltamos, e Ric saiu pra pescar e mergulhar, mas voltou sem nada. ūüė¶

Terça-feira Рdia de ir para o centro de Floripa, no Iate Club de Santa Catarina. Chegamos super bem, passeio curtinho e rápido, porém com muito vento. Amarramos, e fomos conhecer o clube. Descobrimos que o veleiro Iracema (do Bernard, junto com o Daniel, amigo argentino que veio com ele) Рque estava conosco em Rio Grande, também estava amarrado ali, ao nosso lado e foi bem gostoso passar estes dias com eles por ali. Recebemos a visita de vários conhecidos de FB e amigos também, entre eles o Luiz e a Mauriane Рdo catamaran Cascalho; o Sr. Zanella e o Eduardo Рdo veleiro Guga Buy; o Beto e a Alicia Рdo veleiro Pangeia (que foi conosco até o Norte da Ilha, depois); a amiga e irmã de fé, Priscila; e a Luciana com seu filho, Peter.

Logo de cara j√° marcamos de conhecer os queridos Luiz e Mauriane e nos ecnontramos no Shopping Beiramar‚Ķ passamos uma tarde muito gostosa conversando e conhecendo-os melhor. Foi muito bom! Depois, Ric se envolveu com uns ajustes de mec√Ęnica do veleiro de um amigo, e as crian√ßas e eu resolvemos ir ao shopping, mais uma vez. Fiz um agradinho para eles e comprei uns livros que queria muito ler. Tamb√©m nos divertimos, mas estava chegando a hora de partir e ainda havia mta gente que n√£o t√≠nhamos visto. O Beto apareceu por l√° uma manh√£ e acabamos combinando de conhecermos melhor (juntar fam√≠lia, esposas, filhos – o que foi acontecer l√° no norte, j√° no Jurer√™). Escrevi para a Pri e combinamos que ela almo√ßaria conosco, antes que part√≠ssemos e perd√™ssemos a chance de conversar. √Č sempre bom receb√™-la a bordo, mas pelo tempo justinho, acabamos n√£o conseguindo ver o resto da fam√≠lia. E em seguida recebemos a visita da Lu com o filho, que depois acabou nos levando √† sua casa para uma deliciosa pizza – onde tamb√©m tivemos a oportunidade de conhecer o Guilherme, a Veronica e seu filho Mathias. Foi uma tarde e noite especial e encantadora. Agradecemos muito o carinho em nos receber dessa maneira.

Um pouco antes, quando nossos planos j√° eram ir direto para Itaja√≠, ainda tivemos o prazer de receber chocolates e flores do querido S. Bernard – do veleiro Iracema. O chocolate j√° acabou, claro, e a flor segue decorando minha sala! Uma gentileza que n√£o esquecerei e que me faz muito agradecida! ūüôā

Com a chegada do Eduardo Zanella no dia em que partiríamos, nossos planos mudaram. Ele nos alertou que a entrada da barra de Itajaí, naquele dia (sábado), não estava muito boa e sugeriu seguirmos para o Jurerê. Neste meio tempo, o Beto trouxe a esposa, Alicia, e nós tivemos o prazer de conhecê-la, conversar um pouco, conhecer o veleiro deles, e eles o nosso… uma manhã bem gostosa, embora houvesse um pouco de chuvisco. Com eles ainda, rumamos em seguida ao Jurerê Рque já era parada deles, mesmo, e passamos a noite lá.

No dia seguinte, a chuvinha ainda persistia, mas fomos convidados para almo√ßar com o Beto e a fam√≠lia. Conhecemos os pequenos Pedro e Tito, e almo√ßamos (e jantamos) com eles. Passamos a tarde toda l√°, e um pouco da noite. Somos muito gratos pelo carinho e hospitalidade deles, pelo almo√ßo, a sobremesa e a janta‚Ķ as frutas, o passeio na praia (Canasvieiras), o sorvete e a companhia!!! Agora falta o encontro em Itaja√≠, hein? ūüôā

Aquela noite foi chatinha. Voltando da casa do Beto, que nos deu carona e, muito gentilmente, nos ajudou com as sacolas de compras do mercado, pegamos o vai-e-vem, na chuva fina, com o inflável molhado e a praia mexida! Resultado: chegamos molhados! Mas nada que um bom banho quente não pudesse resolver! Dormir, foi um capítulo a parte. Como descrevi brevemente no face, durante a noite havia muito vento forte de norte, pegando o AmarSemFim de frente e fazendo com que as ondas altas batessem muito na plataforma de popa, onde fica o Optimist das crianças, até umas 3am.

Acordamos e amarramos melhor o veleirinho, por seguran√ßa; mas nem Ricardo, nem eu conseguimos voltar¬†a dormir tranq√ľilos… Apenas breves cochilos que eram interrompidos pelos barulhos das ondas no casco, mais o balan√ßo do barco e o soprar do vento forte.

Logo depois, o vento virou (deixando o AmarSemFim na sua direção), mas as ondas continuaram (porque tardam um pouco mais para mudar e ficarem em harmonia com o vento); e agora nos agitavam de lado Рo que tornou impossível dormir, e me presenteou com um torcicolo chato!

Saímos as 7:30 do Iate Clube Veleiros da Ilha Рem Jurerê, norte da Ilha Рem busca de melhor abrigo, e atravessamos o canal em direção ao continente, aonde há uma área bem mais abrigada, que já conhecíamos (praia do Tinguá РEnseada da Armação) quando passamos por aqui em março de 2013.

Ali, tomamos caf√© e descansamos um pouquinho para sair, as 11:00 para o nosso pr√≥ximo destino – ITAJA√ć – onde estamos agora!!!

Nos sentimos muito gratos a Deus pelo tempo que nos propiciou na Ilha de Sta Catarina. A visita e os momentos vividos com cada um de voc√™s foi, sem d√ļvida, um presente de Deus e nos alegramos por poder desfrutar disso. Deus os aben√ßoe!

AmarSemFim |)|)

Fotos:

Videos:

Golfinhos

Ventania

Pontes de Floripa